Jumentos: iniciativa para saciar fome de honestos ninguém tem, mas para alimentar marginais…

15 mar by João Ricardo Correia

Jumentos: iniciativa para saciar fome de honestos ninguém tem, mas para alimentar marginais…

Só pode ser sacanagem! Com tantos problemas graves no Rio Grande do Norte, aí aparece gente querendo matar os jumentos para alimentar os detentos. Era o que faltava. Mas não é de se estranhar. Num país onde marginais têm mais direitos que os cidadãos, claro que o cardápio de assassinos, estupradores, sequestradores, assaltantes precisa de um reforço nutricional.

E como não existem autoridades competentes o suficiente para resolver a problemática da presença dos pobres animais nas rodovias, é mais fácil eliminá-los, ou melhor, transformá-los em deliciosos pratos para alimentar os canalhas que já vivem às nossas custas nos presídios espalhados Brasil afora.

Aí, na churrascada do jumento, na cidade de Apodi, aqui no RN, aparecem mil e um entendidos, jornalistas (pense numa raça que gosta de comer de graça!), degustando a iguaria. Ainda não vi nenhum botando a foto nas redes sociais, com o prato recheado de jumento. Vamos, postem as fotografias. Sugestão de legenda: “Adorando o sabor do jumento” ou quem sabe: “Picanha de jumento levemente apimentada. Adooooooooro!”.

O Brasil, aos poucos, está sendo degradado pelos maus costumes. Uso de maconha em universidade, como recentemente ocorreu na UFRN, é debatido entre alunos e professores. Mascarados baderneiros se apresentam como representantes de uma sociedade revoltada com tudo. Quanta hipocrisia! Os traficantes de drogas mandam e desmandam. Os cidadãos de bem não podem ter armas para defender suas famílias, mas os marginais compram revólveres e pistolas quando bem querem. O STF inocenta ladrões que já havia condenado. A saúde pública é um caos. A educação anda capenga. A insegurança impera nos quatro cantos. Mas o foco todo é para a Copa do Mundo, evento que vai dar lucro à Fifa e a meia dúzia de lobistas, em detrimento de uma paixão nacional que nos faz esquecer dos grandes cientistas, dos escritores, para aplaudirmos jogadores de futebol e torná-los referência de sucesso. A juventude que se dane! Estudar pra quê? Meninos aprendam a jogar bola, meninas a dar beijinho no ombro, ambos treinem a coreografia do Lepo-Lepo e, quem sabe, não chegarão ao antro da imbecilidade, chamado Big Brother Brasil?

Sim, mas voltando ao jumento. Se não houver outro jeito e se os animais podem mesmo virar alimento para humanos, os primeiros beneficiados deveriam ser homens, mulheres e crianças que morrem de fome; não os detentos! Que mania é essa de defender bandido?! É sério. Merece reflexão. Pense numa inversão de valores! Não vi nenhuma autoridade potiguar incentivar um estudo, uma ação concreta e definitiva para saciar a fome dos miseráveis, a partir dos jumentos e outras fontes alimentícias. Mas para agradar os “meninos bonzinhos”, as “vítimas da sociedade”, sempre aparecem. O que é isso? Dá voto? Dá prestígio? É garantia de aparecer na mídia nacional?

Não duvido que nesses espetinhos vendidos por aí já não sirvam jumento. Não tenho nenhum conhecimento técnico para avaliar o valor nutricional da referida carne, mas não posso ficar inerte, calado, com a preocupação primordial em alimentar os detentos. Esses vagabundos devem pagar suas penas até o último dia. E só. Chega de tantos cuidados com os foras da lei, enquanto os cidadãos e cidadãs brasileiros quase não têm mais o direito de sair de casa, temerosos com as investidas criminosas cada vez mais violentas e covardes.

Diante de tantos absurdos que nos são mostrados pela mídia, a cada instante, tudo é possível. Até Tony Ramos virar garoto-propaganda da Fri-Jumento! Será que Roberto Carlos também não toparia? E que tal uma patricinha toda metida a gostosinha chegando a um açougue e pedindo: “Moço, coloca três quilos de linguiça de jumento”. Ora, mas o ápice seria uma galera de dois, três pavilhões de um presídio toda reunida no pátio, gritando: “Fri-Jumento, Fri-Jumento, a carne preferida dos detentos”.
Sim, já deve ter uma turma já tramando ganhar alguma licitação para substituir a carne de boi pela de um jumentinho cevado. Ou será que já não faz?

Fico até pensando no dia quem alguém inventar de servir carne de cachorro, para acabar com os animais que circulam nas ruas. Se na China o “melhor amigo do homem” vai parar na panela… É só algum detento sentir vontade de comer um “filezinho ao molho de au-au” que vão atendê-lo.

Coitadinhos dos jumentos. Tão sofridos, lembrados pela força, pela obediência, pelas humilhações, pelo transporte de tantas riquezas do Brasil, pela presença marcante no nascimento do Menino Jesus, vão terminar virando comida para marginais. Que Deus tenha misericórdia dessas pobres criaturas indefesas. E de nós também.

ByJoão Ricardo Correia

Jornalista, nascido em Natal(RN). Formado em Comunicação Social pela UFRN. Radialista. Experiências profissionais em rádio, jornais, TV, informativos virtuais e assessorias de imprensa. Editor geral do Portal Companhia da Notícia.

Deixe seu comentário

Fale no ZAP