Solidariedade concretiza sonhos de crianças neste natal

Sempre tive um lado “meio” Madre Tereza de Calcutá. Acreditem, não é demagogia, nem propaganda enganosa, rsrsrsrs. Pode até não parecer, mas, quem são do meu convívio sabem. Sempre penso que aquilo que não serve pra mim, com certeza servirá pra um outro.

E foi assim, despretensiosamente, que resolvi aderir não só umas cartinhas como fiz por uns dois anos, mas, adotei muito mais. Claro, pensando na minha certa influência de jornalista sabia que podia mobilizar alguns amigos.

Mas, teve um ponto crucial nessa atitude que não contei a ninguém. A pauta sobre esse projeto “Papai Noel dos Correios” que já é um sucesso há mais de 23 anos em todo o país caiu pra mim. E fui fazer a pauta nos Correios da Ribeira. Lá, descobri que o projeto só cresce aqui em Natal e já se expande para algumas cidades do interior e da Região Metropolitana. Quase dez mil cartinhas estavam cadastradas com os mais diversos pedidos. O que mais me chamou atenção foram os pedidos por materiais escolares.

O projeto incentiva também a escrita, a redação e as cartinhas direcionadas ao Papai Noel são lindas, porque, além de decoradas, elas têm a inocência em acreditar que existem sim, Papais Noéis. E esses Papais Noéis somos nós, que dentro da possibilidade de cada um, podemos fazer uma criança feliz e ajudá-las a crescerem com o espírito de solidariedade, humanização, respeito ao próximo.

Pois bem, falei, falei e já havia esquecido do ponto crucial que me fez adotar as cartinhas. Na hora em que eu estava lá pegando as informações, lendo as cartinhas decoradas, chegou um motoboy. No ano passado, esse pai estava desempregado e o filho dele de 9 anos escreveu para o projeto e foi contemplado com um kit de material escolar completo. Este ano, ele (confesso que esqueci o nome, mas entrou na minha matéria para TV Assembleia/RN) voltou para pegar uma cartinha em forma de agradecimento pelo o que aconteceu com seu filho no ano anterior.

Eu achei isso simplesmente de uma benevolência ímpar! Eiiiii, não é todo ser humano que tem essa consciência de retribuição, de reconhecimento. Parabenizei-o, entrevistei-o e a partir daí, pensei: posso ajudar também. Vou usar minha certa influência e mobilizar amigos para fazer o natal de uma pequena parte dessas crianças diferentes, mais otimista!

Escolhi algumas e, sério gente, postei no Instagram e logo alguns amigos disseram que separasse que eles queriam. Na redação da TVAL também e em cada gabinete dos nossos deputados não foi nada diferente. Bem recebida por todos que procurei, eles pegaram as cartinhas de maiores valores, como bicicletas, carrinhos de controle remoto, patinetes e claro, material escolar. Mas, tinham pedidos como bolas, ió-iôs (confesso de novo, nem sabia que nessa era tecnológica, eles fossem ser lembrados e diga-se de passagem foram os mais dificíeis de encontrar).

Menos de 10 dias e conseguimos garantir todas as cartinhas que eu havia selecionado. Foi um trabalho árduo, de pesquisa, andando de loja em loja para que o dinheiro que sobrasse de um desse pra completar o do outro e por aí foi… Árduo, mas, posso garantir-lhes, muito, muito, mais muito gratificante em saber que consegui com a ajuda de todos cumprir essa missão. Não vou citar nomes para não ser injusta e sei que posso esquecer alguém, mas, você que ajudou sabe muito bem que fez sua parte e que o seu, o nosso natal será diferente, melhor, sensação e dever cumprido, pois, é nisso que acredito. Para um mundo melhor, nada mais eficiente e necessário do que a igualdade social e a solidariedade com todos, seja com o vizinho, a família, os amigos de trabalho e principalmente aquele que nem sabemos que são. Aquela velha frase: “Fazer o bem sem olhar a quem”.

O meu mais sincero muito obrigada!!!!!! Feliz Natal!!!!!!

 

Deixe seu comentário