Tag: Assassinato

30 ago by João Ricardo Correia Tags:, , , ,

Assassinato em Cidade Satélite pode ter sido motivado por “queima de arquivo”

O homem identificado como José Juvenal de Sena Júnior, 42 anos, foi assassinado por volta das 9 horas da manhã desta quinta-feira, 30, na calçada de uma panificadora, na rua Oiti, conjunto Cidade Satélite, zona Sul de Natal. De acordo com populares, a vítima havia deixado o estabelecimento comercial, quando foi abordada por um atirador, que saiu de um veículo modelo HB20, preto, placas não informadas. O crime pode ter sido uma “queima de arquivo”.

Juvenal Júnior foi atingido na cabeça e no abdômen. A Polícia Militar recebeu a informação que o homem que fez os disparos estava acompanhado de, pelo menos, dois comparsas, que o aguardaram no carro preto, que ainda não havia sido localizado até às 12:25 horas.

O Companhia da Notícia, com exclusividade, acompanhou o trabalho do Itep e policiais civis, na cena do crime. Informações extraoficiais dão conta que Juvenal seria comerciante. Houve uma movimentação intensa entre os policiais que estavam no local e um deles, pedindo para não ser identificado, disse que “as investigações podem revelar que o assassinato pode ter sido praticado como queima de arquivo”.

A pickup Hilux branca, na qual Juvenal chegou à padaria, ficou estacionada na calçada e foi vistoriada pelos policiais civis.

ATENÇÃO!!!
ABAIXO, IMAGENS FORTES.
CASO DESEJE VER, BASTA CLICAR EM “CONTINUAR LENDO”
29 ago by João Ricardo Correia Tags:, , , ,

Ministro nega pedido da defesa de ex-prefeita denunciada por morte de jornalista

O ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou seguimento (julgou inviável) ao Recurso Ordinário em Habeas Corpus (RHC) 160392, no qual a defesa de Roseli Ferreira Pimentel, ex-prefeita de Santa Luiza (MG), pedia a revogação de sua prisão preventiva. Ela foi denunciada por homicídio duplamente qualificado (motivo torpe e com uso de recurso que dificultou a defesa da vítima) e recorreu da decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) que substitui a segregação cautelar por prisão domiciliar, sem uso de tornozeleira eletrônica, em razão de ter um filho de 10 anos de idade. Roseli Pimentel também foi denunciada por crime de responsabilidade sob acusação de se apropriar de recursos públicos para pagar os executores do crime.

O jornalista Maurício Campos Rosa, do jornal O Grito, foi morto a tiros em agosto de 2016. De acordo com a denúncia do Ministério Público de Minas Gerais (MP-MG), a ordem de execução teria partido da prefeita, em razão de investidas do jornalista para receber vantagens financeiras em troca do uso do jornal para exaltar as qualidades de Roseli em detrimento de seus adversários políticos. Ainda de acordo com o MP-MG, os R$ 20 mil supostamente utilizados para pagar os executores do crime saíram dos cofres públicos, e o celular do jornalista teria sido levado do pronto socorro para o gabinete da prefeita, para que esta pudesse apagar mensagens.

22 ago by João Ricardo Correia Tags:, , , ,

Denúncias de feminicídio e tentativas de assassinato chegam a 10 mil

Quase dez mil mulheres foram vítimas de feminicídio ou tentativas de homicídio por motivos de gênero nos últimos 9 anos, segundo levantamento da Central de Atendimento à Mulher, o Ligue 180. Desde 2009, a central registrou denúncias de morte de pelo menos 3,1 mil mulheres e outras 6,4 mil foram alvo de tentativa de assassinato.

Na última década, o pico de registros ocorreu em 2015, ano em que o feminicídio foi incluído no Código Penal brasileiro como qualificador de homicídio e no rol de crimes hediondos. Naquele ano, a central recebeu 956 registros de assassinatos de mulheres, contra 69 mortes apontadas no ano anterior.

Por Débora Brito – Repórter da Agência Brasil / Brasília

Leia matéria completa:
http://agenciabrasil.ebc.com.br/direitos-humanos/noticia/2018-08/denuncias-de-feminicidio-e-tentativas-de-assassinato-chegam-10-mil

 

15 ago by João Ricardo Correia Tags:, , , ,

Acusado de matar ex-esposa será julgado no dia 22

Dois júris populares envolvendo casos de feminicídio serão realizados em Natal na próxima semana, quando acontece a 11ª edição da Semana da Justiça pela Paz em Casa, de 20 a 24 de agosto. Nacionalmente, o foco desta edição será o julgamento de feminicídio nos estados. Atualmente, tramitam no Poder Judiciário brasileiro 10 mil processos de feminicídio, segundo dados do Conselho Nacional de Justiça.

No dia 22, às 8h, a 1ª Vara Criminal de Natal realiza sessão do júri popular para julgar José Cândido de Melo, acusado de matar a facadas sua ex-esposa Izolda Claudino de Almeida Melo, no último dia 19 de março, no bairro Potengi, em Natal.

Outro caso que será submetido ao Júri popular é o de Gileno Aureliano do Nascimento, acusado de tentativa de homicídio e de estupro contra a vítima Selma Maria Mariano da Silva. O fato ocorreu em março de 2010. Este júri será realizado pela 2ª Vara Criminal de Natal e acontece às 8h do dia 21 de agosto, no Fórum Seabra Fagundes.

23 set by João Ricardo Correia Tags:, , , , , , ,

DHPP prende trio acusado de assassinar bugueiro

policiacivil1

Uma investigação da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) elucidou o assassinato do bugueiro Juarez da Silva,59 anos, morto no dia 15 de junho deste ano, na comunidade do Leningrado, no bairro Guarapes, na zona Oeste de Natal. O crime foi encomendado pela mulher da vítima, Rosely Louzada, 38 anos, que combinou com três homens a invasão da residência do casal e a realização de um falso assalto. Ela teria prometido pagar o valor de R$ 900 para os executores, porém não efetivou o pagamento. Os quatro suspeitos pelo homicídio já estão detidos, inclusive o suspeito pelos disparos, um adolescente de 15 anos.

15 set by João Ricardo Correia Tags:, , , , , , ,

Assassinato de jornalista pode se tornar crime hediondo

jornalista

O jornalista Mateus Júnior, que morava em Palmas (TO), foi encontrado morto no dia 8 de setembro. Em julho, o jornalista João Miranda do Carmo foi assassinado com 13 tiros, na cidade goiana de Santo Antônio de Descoberto, na região do entorno de Brasília.

O Projeto de Lei do Senado (PLS) 329/2016, apresentado pelo senador licenciado Acir Gurgacz (PDT-RO), transforma em crime hediondo o homicídio de jornalistas em razão de sua profissão. A punição para crimes hediondos é mais dura. Os condenados por esse tipo de crime não têm, por exemplo, direito a anistia, graça e indulto. Outra regra é que a pena deve ser cumprida inicialmente em regime fechado.

22 ago by João Ricardo Correia Tags:, , , , , , ,

Irmã da mulher assassinada por sargento da Aeronáutica critica impunidade

Há exatos 9 anos, Andreia Rosângela Rodrigues foi assassinado por seu marido, o sargento da Aeronáutica Andrei Bratkowski Thies, em Natal. O crime foi repleto de crueldade. O militar escondeu o cadáver numa geladeira, depois enterrou em uma área da Força Aérea Brasileira e, por fim, no quintal da casa dos seus pais, em Ponta Negra, zona Sul da capital potiguar.

Os pais de Andrei também participaram o crime, foram condenados e ficaram um tempo em presídios estaduais. O sargento Andrei continua no posto e sempre ficou nas dependência da FAB.

Revoltada com o que chama de “impunidade”, Priscila Rodrigues, irmã de Andreia, postou o vídeo acima.

22 mar by João Ricardo Correia Tags:, , , , ,

Policial Civil é preso sob acusação de matar colega de profissão em Natal

IRIANOEANAPAULA
Advogada Ana Paula e o agente de Polícia Civil Iriano Feitosa

A Divisão de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP) da Polícia Civil prendeu o Agente de Polícia Civil, Tibério Vinicius Mendes de França, na manhã desta quarta-feira (22). Ele é apontado como o principal suspeito pela morte do também Agente de Polícia Civil, Iriano Serafim.

A vítima foi morta com seis tiros, na noite do dia 03 de fevereiro, quando estava trafegando em seu veículo na Avenida Xavantes, no conjunto Cidade Satélite, bairro Pitimbu, zona Sul de Natal. O policial civil Tibério Vinicius foi detido em cumprimento a um mandado de prisão preventiva, quando estava na DHPP para prestar depoimento.

O crime praticado pelo suspeito está sendo investigado por uma Comissão de Delegados que faz parte da Divisão Especializada.  A prisão de Tibério Vinicius foi pedida à Justiça, após a constatação da existência de provas materiais e testemunhais que demonstram a atuação do suspeito para a consecução do homicídio. Além disto, a prisão preventiva foi pedida para garantia da ordem pública e conclusão da investigação.

 

CONFIRA REPORTAGEM PUBLICADA NO DIA DO CRIME:

Policial civil assassinado havia sido denunciado por colega ao Ministério Público

POLÍCIA CIVIL DISPONIBILIZOU VÍDEO DO MOMENTO DO ASSASSINATO:

Com informações da Assessoria de Imprensa
da Polícia Civil do RN – (Degepol)

4 fev by João Ricardo Correia Tags:, , , , , , , ,

Policial civil assassinado havia sido denunciado por colega ao Ministério Público

IRIANO1_APC
Advogada Ana Paula e o agente de Polícia Civil Iriano haviam se casado há menos de um mês e comemoraram união com festa no Chaplin, em Natal (Foto: redes sociais)

 

Por João Ricardo Correia

Tráfico internacional de drogas, pistolagem, relações em sociedade advocatícia, denúncia ao Ministério Público de acobertamento de traficantes que agiriam em Natal e prisão de traficante em Mato Grosso são elementos que cercariam e poderiam desvendar o assassinato do agente de Polícia Civil Iriano Feitosa, ocorrido por volta das 21h30 minutos dessa quarta-feira, 03, no conjunto Cidade Satélite, zona Sul de Natal, capital do Rio Grande do Norte.

Delegados de Polícia Civil, como Ben-Hur Cirino de Medeiros, Iramar Xavier, Correia Júnior e Márcio Delgado, além de dezenas de agentes estiveram na cena do crime, na avenida dos Xavantes, quase em frente à Imobiliária Gondim. Segundo fontes do Portal Companhia da Notícia, Iriano dirigia o Jetta branco, placas PGP-8047/Natal-RN, acompanhado da sua mulher, a advogada criminalista Ana Paula, com quem estava casado há menos de um mês, quando um motociclista não identificado até o fechamento desta matéria, emparelhou seu veículo e atirou várias vezes, acertando o veículo, o policial e a advogada.

IRIANO5_APC
Carro em que estavam Iriano e Ana Paula (Foto: redes sociais)

Vizinhos evitavam falar sobre o assunto, até porque o tempo todo vários policiais se posicionavam estrategicamente, no intuito de tentar obter alguma informação, o que deixava receosas as pessoas que, por ventura, desejassem falar naquele momento. Um policial civil disse ter escutado de um vizinho que a advogada teria reconhecido o atirador, informando, inclusive, que ele usava uma motocicleta modelo Falcon.

O casal foi socorrido pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). Logo após dar entrada no pronto-socorro Clóvis Sarinho, Iriano Feitosa morreu. De acordo com informações de policias civis, a advogada Ana Paula foi atingida por um tiro transfixante, no tórax, e permanecia internada sem inspirar maiores cuidados médicos.

BASTIDORES

Logo após o crime, mensagens se multiplicavam com rapidez por meio de redes sociais da internet. As informações extra-oficiais davam conta que o principal suspeito de atirar em Iriano seria outro agente de Polícia Civil, que teria denunciado a vítima ao Ministério Público, acusando-a de acobertar traficantes de drogas que estariam agindo em Natal. Um áudio (OUÇA ABAIXO) que teria sido gravado pelo suposto atirador também circulou pelo Whatsapp, onde um homem garante não ter envolvimento com o crime, alegando que estava com sua mulher, em casa, e teria como provar isso. Ele ainda diz que a suspeita teria recaído sobre ele porque havia denunciado Iriano ao Ministério Público.

 

 

IRIANO3_APC
Crime aconteceu na avenida dos Xavantes, uma das mais movimentadas do conjunto Cidade Satélite (Foto: João Ricardo Correia)
IRIANO4_APC
Diversos policiais estiveram na cena do crime, em busca de informações (Foto: João Ricardo Correia)
IRIANO2_APC
Bolsa foi retirada do porta-malas do automóvel e objetos foram vistoriados (Foto: João Ricardo Correia)

Também há informações extra-oficiais, que chegaram ao conhecimento de policiais civis, que a mulher de Iriano, Ana Paula, já trabalhou com a advogada Paloma Gurgel de Oliveira Cerqueira, que sobreviveu a um atentado após ser atingida por quatro tiros de pistola .40 (calibre restrito de uso policial), dia 19 de dezembro do ano passado, quando estava em uma lanchonete, na zona Avenida Ayrton Senna, zona Sul de Natal.

“Todas as informações serão checadas. Não vamos nos prender a somente uma linha de investigação. Vamos desvendar esse crime”, garantiu um delegado.

Ao Portal UOL, Paloma Gurgel declarou, entre outras coisas: “As ameaças têm a ver com concorrência de trabalho, porque recebi mensagens alertando para que eu tomasse cuidado, que haviam pagado R$ 50 mil para me matar e para que eu tivesse cuidado. O atentado que sofri não tem relação com meus clientes, mas tem com a minha profissão, porque as ameaças vieram de ‘concorrentes’. Tenho mais de 300 clientes, a maioria em presídios federais em Catanduvas e Mossoró, e minha atuação vinha incomodado algumas pessoas.”

Confira a íntegra da reportagem clicando AQUI.

19 set by João Ricardo Correia Tags:, , , , , ,

Tiros que mataram soldado PM atingem cada um dos cidadãos potiguares

ROSANEGRA1

O assassinato de mais um soldado PM, como o ocorrido nesta sexta-feira à noite em Parnamirim(RN), é outro sinal que a bandidagem continua vencendo a guerra. E não vemos nenhuma ação organizada da nossa classe política contra isso, bem diferente quando se une para tratar de assuntos ligados à economia, a investimentos financeiros.

Matar um pai de família na frente da sua mulher é atirar contra cada um de nós, cidadãos e cidadãs que trabalhamos, pagamos nossos impostos e não temos nossos direitos garantidos pelo governo.

Independente de quem ou qual partido esteja no poder, a Segurança Pública e seus agentes nunca foram valorizados. Nunca. São tratados como profissionais, digamos, “comuns”, quando não são. Esses homens e mulheres são lembrados pelos governantes somente quando promovem greves, mobilizações, acampamentos, demonstram publicamente suas dificuldades. Aí, vem o “cala boca”, a ajuda de última hora, a reunião com muito cafezinho e sorrisos para as redes sociais.

Sempre foi assim. Como repórter, já redigi dezenas de matérias sobre tema, ouvindo os dois lados, sentindo a revolta nas palavras dos servidores apunhalados e a frieza insensível no que diziam os governantes. E aqui no Rio Grande do Norte há anos, muitos anos, que os policiais civis e militares não recebem o tratamento a que têm direito. Geralmente, têm superiores muito bem relacionados com a politicagem, com interesses nas eleições, estariam, segundo fontes do colunista, de olho em algum serviço que pudessem prestar em grandes eventos, mesmo que para isso indicassem “testas de ferro”. Sempre tem algum “chefão” abraçado com figurinhas carimbadas da “sociedade”.

Os tiros que atingiram o PM em Parnamirim também ferem nossa dignidade. Nos deixam ainda mais inseguros, temerosos.  A vida de um policial tem o mesmo valor da vida de qualquer homem de bem, seja ele um favelado sem emprego ou um grande empresário.

O mais grave é a forma como aconteceu o assassinato, numa abordagem cedo da noite, quando o policial e sua mulher tinham acabado de estacionar o carro. Os dois marginais chegaram em uma moto. Um deles tirou o PM do carro e o eliminou na calçada, mesmo sem ele ter reagido. E ainda passaram alguns minutos revirando o veículo e fugiram tranquilamente, deixando a mulher desesperada pedindo socorro. Uma cena lamentável, que não foi a primeira e não será a última. Mais: a próxima vítima pode ser eu, você, nossos filhos, nossos pais, enfim, qualquer um de nós.

Por onde andam nossos políticos, principalmente deputados federais e senadores, numa hora dessa? Se escondem! Quando é para tratar de assuntos relacionados a dinheiro, se abraçam, se reúnem, viajam, pedem audiências, promovem audiências públicas, fazem discursos inflamados.

Nas últimas semanas, o assunto que tanto une nossos “representantes” é o tal Hub da Latam. Antes, foi a Copa do Mundo de 2014. Quando os primeiros litros d’água da transposição do Rio São Francisco escorreram, lá foram alguns políticos, quase desembestados, correndo para a foto. Não duvido da importância do Hub. A Copa deixou algumas obras importantes em torno da Arena das Dunas Marinho Chagas. Mas prefiro a luta pela vida.

Mas qual o motivo que os deputados federais e senadores não se unem, com a mesma determinação (inclusive com destaque na publicidade), com o mesmo interesse para cobrar ações em prol da Segurança Pública? Será que é porque quase todos já passaram pelo governo, direta ou indiretamente, por meio de parentes? Será que não têm mais a cara de pau para fazer as mesmas promessas? Falta pulso para tecer críticas aos antigos adversários e hoje aliados de primeira hora?

Enquanto o povo continua sendo assassinado, assaltado, violentado, enfim, aterrorizados pelos marginais, nossos representantes continuam muito bem, obrigado.

E se algum deles preferir culpar as leis, a falta de vagas nos presídios, ora essa, é só uma questão de ação, afinal  contas tudo “isso” que está aí não é obra do Divino, mas, sim, culpa de um bando de irresponsável travestido de político.

Se a bancada federal não se mobiliza, que os deputados estaduais o façam. Ou também preferem a inércia regada a cafezinho, água mineral e suquinho?

A sociedade precisa de ação. Chega de conversa mole, de projetinho para ser aprovado em véspera de eleição, de bate papo na internet.

9 jun by João Ricardo Correia Tags:, , , , ,

Acusado de matar o radialista F. Gomes deve ir a novo júri popular

FGOMES1

Recurso judicial relacionado ao assassinato do radialista Francisco Gomes de Medeiros, o F. Gomes (FOTO), executado a tiros na noite de 18 outubro de 2010 na cidade de Caicó, região Seridó do Rio Grande do Norte, foi julgado nesta terça-feira (9), pela Câmara Criminal do TJRN. O órgão julgador, à unanimidade dos votos, deu provimento ao apelo do Ministério Público para anular o julgamento do Tribunal do Júri, a fim de submeter o réu Lailson Lopes a novo julgamento.

A defesa do comerciante Lailson Lopes, mais conhecido como ‘Gordo da Rodoviária’, alegou no júri popular, realizado em 10 de abril de 2014, a não autoria do crime ou, caso os integrantes entendessem diferente, que ele fosse condenado com um atenuante de que teria tido “menor participação” no fato.

A explicação da defesa está no fato de que o Representante do Ministério Público, na lavratura da sentença, requereu que fosse retirado o quesito referente à participação de menor importância (4º quesito), argumentando ser tese conflitante com a tese da negativa de autoria. Ao final, registrado o protesto do Ministério Público no que se refere ao quesito (menor participação). O quesito gerou o apelo do MP, para um novo júri, o qual foi concedido pelos desembargadores integrantes da Câmara Criminal.

“Ele permanece preso no Centro de Detenção Provisória de Patu, por ter sido preso por decreto de prisão preventiva, pedido pelo MP. Mas, como dissemos, estudaremos um novo recurso”, reforça a defesa de Laílson Lopes.

O caso

Segundo o inquérito, a execução do radialista foi encomendada por R$ 10 mil, mas somente R$ 8 mil foram pagos, cujo montante pertencia à igreja onde o o ex-pastor Gilson Neudo pregava. O restante teria sido pago por um tenente-coronel. O dinheiro foi rastreado com a quebra do sigilo telefônico e bancário dos investigados.

Francisco Gomes de Medeiros, o F. Gomes, tinha 46 anos e trabalhava na rádio Caicó AM. Foi assassinado na noite de 18 de outubro de 2010, deixando mulher e três filhos. Ele foi atingido por três tiros de revólver na calçada de casa, na rua Professor Viana, no bairro Paraíba, em Caicó. Vizinhos ainda o socorreram ao Hospital Regional de Caicó, mas F. Gomes não resistiu aos ferimentos.

O Gordo da Rodoviária e o mototaxista João Francisco dos Santos, mais conhecido como ‘Dão’ foram denunciados, respectivamente, por autoria intelectual e material do homicídio. O mototaxista, réu confesso, admitiu ter puxado o gatilho. Já o comerciante, nega ter qualquer envolvimento no crime.

21 fev by João Ricardo Correia Tags:, , , , ,

Polícia busca suspeitos de assassinato de família a golpes de foice

INVESTIGACAO2
Com o apoio da Delegacia de Polícia do município de Redenção, a Policia Civil do Pará ainda busca, com auxílio de um helicóptero, três suspeitos de participação no assassinato de seis pessoas da mesma família, a golpes de foice – entre elas uma criança de 10 anos e três adolescentes com idade entre 13 e 15 anos –, na madrugada da terça-feira (17). A chacina foi em uma área rural, na divisa entre os municípios de Redenção e Conceição do Araguaia, a cerca de 1,1 mil quilômetros da capital, Belém, e teria sido motivada por disputa de terra, segundo a Polícia Civil.

Depois de prender um suspeito de ter colaborado com os criminosos, os policiais mantêm as buscas na região, que é de mata e igarapés, na tentativa de cumprir os mandados de prisão expedidos contra Dinho Santos, ex-dono do terreno e apontado como mandante do crime, e os irmãos identificados como Tonho e Jonhe, suspeitos de ter executado a chacina.

De acordo com a polícia, o antigo proprietário não aceitava a perda do lote, localizado na Fazenda Estiva, que está em processo de desapropriação pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) desde 2012. Santos teria contratado dois capangas para retirar a família do local. A polícia não conseguiu esclarecer, entretanto, porque a família foi brutalmente assassinada em vez de ser expulsa do local.

Segundo as investigações, os suspeitos de executar a família viviam pela cidade e desapareceram logo após o crime. As vítimas da  chacina moravam em um barraco de madeira há cerca de duas semanas. De acordo com as investigações, os suspeitos invadiram a casa, amarraram as seis pessoas da família e as levaram para a mata próxima a um igarapé, onde todos foram executados. Preliminarmente, apenas o agricultor Washington da Silva, de 40 anos, tinha marcas de tiro pelo corpo.

Os corpos foram encontrados na madrugada de terça-feira após agricultores da região informarem a Polícia Militar sobre o desaparecimento das seis pessoas. Os policiais foram ao lote e o encontraram abandonado. Ao iniciar as buscas, localizaram o corpo da agricultora Leidiane Soares, de 30 anos, com as mãos amarradas, na margem de um igarapé. Em seguida, com auxílio de bombeiros, os policiais localizaram os outros corpos.

Em nota, o ouvidor agrário nacional e presidente da Comissão Nacional de Combate à Violência no Campo, Gercino José da Silva Filho, repudiou o ato de violência e convocou, para o dia 4 de março, reunião da comissão para tratar do assunto.

“A ouvidoria reitera que irá atuar em todas as instâncias necessárias para que os responsáveis pelo ato criminoso, hediondo, sejam punidos na forma da lei”, diz nota divulgada pelo órgão. A comissão é composta por representantes do Ministério Público Federal, da Polícia Federal, dos ministérios da Justiça, do Meio Ambiente e da Secretaria de Direitos Humanos, da Defensoria Pública da União, do Conselho Nacional de Procuradores-Gerais, da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e do Incra.

De acordo com o Incra, a Fazenda Estiva, de propriedade de Ricardo Rocha Lima Paranhos, com área de 2.830 hectares, foi declarada de interesse social para fins de reforma agrária em 22 de dezembro de 2010. O valor da área, com as benfeitorias, foi calculado em R$ 5,6 milhões.

Em 17 de dezembro de 2012, o Incra protocolou ação de desapropriação na Justiça Federal da Subseção Judiciária do município de Redenção. Passados dois anos, ainda segundo o Incra, a Justiça estadual homologou acordo entre o Estado e o dono da área. No início de fevereiro, o processo voltou para a sede do Incra, em Brasília, para emissão do Título da Dívida Agrária (TDA), documento que estabelece  como o Estado fará o pagamento ao proprietário da área.

 

 

Fonte: Agência Brasil

Fale no ZAP