26 set by João Ricardo Correia Tags:, , ,

Desperdício: cada brasileiro joga fora 40 quilos de alimento por ano

Enquanto 13 milhões de brasileiros passam fome, 40 quilos de alimento são jogados fora todo ano por cada cidadão. Os dados são de pesquisa realizada pela Embrapa em parceria com a Fundação Getúlio Vargas, que identificaram a busca por sabor e fartura como motivos para jogar comida no lixo.

26 jul by João Ricardo Correia Tags:, , ,

Memórias da política: José Agripino disse que Garibaldi queria matar o “pobre de fome”

 

Discurso foi em 1998, na cidade de Baraúnas, no Oeste potiguar. “Jajá” falou até da “cara redonda” de “Gari”.

6 jul by João Ricardo Correia Tags:, , , ,

Incentivo à desonestidade vai virar “legado” no Brasil

O incentivo à desonestidade vai terminar virando um “legado” nesse Brasil velho de guerra tão cheio de corruptos, corruptores e corrompidos. Essa tal delação premiada é, literalmente, um prêmio aos bandidos. O sujeito faz o que quer, rouba, mete a mão nos cofres públicos, aí depois confessa tudo e “corre o risco” de ser perdoado! Vai terminar pedindo indenização!

Enquanto isso, a corrupção continua alimentando canalhas e maltratando milhões de brasileiros, que morrem por falta de assistência médica, dormem na rua, não tem emprego, os filhos não recebem uma educação de qualidade.

 

 

14 out by João Ricardo Correia Tags:, , , , , ,

Unicef: só uma em cada seis crianças até 2 anos recebe nutrientes suficientes

crianca_faminta
Apenas uma em cada seis crianças com menos de 2 anos recebe alimentos em quantidade e diversidade suficientes para a idade, o que deixa as restantes em risco de danos físicos e mentais irreversíveis. A conclusão é de um relatório do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), divulgado hoje (14).

“Os bebês e as crianças pequenas têm maior necessidade de nutrientes do que em qualquer outra fase da vida. Mas milhões de crianças pequenas não desenvolvem todo o seu potencial físico e intelectual porque recebem pouca comida e demasiado tarde”, disse France Begin, conselheira sênior para os assuntos de Nutrição da Unicef, citada em nota da organização. Ela alerta que “uma nutrição deficiente em uma idade tão tenra causa danos mentais e físicos irreversíveis”.

13 out by João Ricardo Correia Tags:, , , ,

Fome no mundo em desenvolvimento diminuiu 27% em 15 anos

FOME1_ARQUIVOAGENCIABRASIL

A luta contra a fome no mundo registrou “progressos significativos” nos últimos 15 anos, com redução de 27%. O Brasil é um dos países que mais diminuíram a subnutrição entre os 128 analisados no  Índex Global sobre Fome (IGF) 2015, elaborado pelo Instituto Internacional de Investigação sobre Políticas Alimentares (IFPRI, na sigla em inglês). Entre os nove integrantes da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), cinco foram avaliados – Angola, Brasil, Guiné-Bissau, Moçambique e Timor-Leste.

Com Cabo Verde, Guiné Equatorial, Portugal e São Tomé e Príncipe fora da lista, o Brasil reduziu em cerca de 66% os casos de fome entre 2000 e 2015 e já se encontra entre os países mais próximos de erradicar a fome, com pontuação inferior a 5 no IGF.  Os países que estão perto de acabar com a fome ficam com pontuação entre 0 e 7,9.

Segundo os critérios para a definição do IGF, pontuações entre 8 e 13,2 representam níveis baixos ou moderados de fome; entre 13,3 e 19,9, valores médios, e entre 20 e 34,9, são considerados “sérios”. Acima de 35 pontos são considerados alarmantes, estando nessa situação o Timor-Leste, que obteve 40,7 pontos.

Angola, juntamente com Ruanda e a Etiópia, registrou uma das maiores quedas na redução da fome, ficando entre 25 e 28 pontos. Os três países mantêm-se, entretanto, em nível “sério”, obtendo, segundo os critérios da IFPRI, 32,6 pontos. A Guiné-Bissau (30,3 pontos) e Moçambique (32,5) estão na mesma lista de Angola.

Por regiões, a África Subsaariana (média de 32,2 pontos) e o Sul da Ásia (média de 29,4) mantêm-se como as áreas mais afetadas pela fome, com valores que estão dentro dos parâmetros que o Instituto considera “sérios”.

O Sudeste asiático, o Oriente Médio, o Norte da África, a América Latina e as Caraíbas, o Leste da Europa e os Estados independentes da Comunidade Britânica (Commonwealth) registraram valores entre 8 e 13,2 pontos.

Segundo o ranking do IFPRI, 17 países, entre eles o Brasil, obtiveram resultados “notáveis” na redução da fome, baixando em 50% ou mais os percentuais.

Os dados do relatório também mostram que 68 países registraram “progressos consideráveis”, com queda entre 25% e 49,9%, e 28 reduziram o Índex Global sobre Fome em menos de 25%.

Apesar de todos os progressos, há ainda 52 países que continuam com níveis de fome que variam entre o “sério” e o “alarmante”.

No período de 15 anos, entre 2000 e 2015, a lista dos dez países com maior redução dos níveis de fome inclui três latino-americanos (Brasil, Peru e Venezuela), um da Ásia (Mongólia), quatro antigas repúblicas soviéticas (Azerbaijão, República da Quirguízia, Lituânia e Ucrânia) e dois ex-Estados iugoslavos (Bósnia-Herzegovina e Croácia).

O IGF de 2015 não inclui os resultados de alguns dos países menos desenvolvidos, como Burundi, Comores, Eritreia, Sudão ou Sudão do Sul, entre outros, devido à inexistência de dados. O mesmo ocorre com a República do Congo que não disponibilizou informações. O Congo teve o pior resultado em 2011.

A Somália, em crise desde 1991, nunca foi analisada.

 

Fonte: Agência Brasil
Foto: Arquivo/Agência Brasil

3 out by João Ricardo Correia Tags:, , , , ,

Papa Francisco considera que fome é um escândalo nos países ricos

PAPAFR4

O papa Francisco denunciou hoje que a fome no mundo alcançou “dimensões de verdadeiro escândalo” e destacou que este fato não só acontece nos países pobres, mas também e cada vez mais nas sociedades ricas.

“A fome alcançou dimensões de um verdadeiro escândalo que ameaça a vida e a dignidade de muitas pessoas, homens, mulheres, crianças e velhos”, disse o líder da Igreja Católica durante encontro com participantes de uma conferência promovida pelo Banco Alimentar em comemoração aos 25 anos da organização.

Na opinião do sumo pontífice, “devemos lembrar-nos diariamente desta injustiça: num mundo rico em recursos alimentares, também graças aos enormes progressos tecnológicos, são demasiados aqueles que não têm o necessário para sobreviver”.

“E isto não acontece apenas nos países pobres, mas também cada vez mais nas sociedades ricas e desenvolvidas”, recordou o papa.

Este problema é hoje agravado mais “pelo aumento dos fluxos migratórios, que leva à Europa milhares de refugiados, que fogem dos seus países e que necessitam de tudo”.

 

Fonte: Agência Brasil

Fale no ZAP