Tag: Mercado

1 nov by João Ricardo Correia Tags:, , , , ,

Preço do milho na Conab fica igual ao mercado normal e Anorc alerta para prejuízos, sobretudo no semiárido

Criadores e produtores potiguares estão indignados com a Portaria do Conselho Interministerial de Estoques Públicos (Ciep), publicada esta semana e que autoriza a Conab a comercializar, até o próximo dia 31 de dezembro, 100 mil toneladas de milho dentro do Programa Venda em Balcão para produtores rurais de todo o país. O motivo é que, apesar do preço pleiteado para a saca de 60 Kg de milho ter sido de R$ 33, a portaria liberou a Conab para vender cada saca por nada menos que R$ 51,66, valor muito semelhante ao praticado no mercado normal (no qual uma saca de milho, com 50KG, sai por R$ 50,66.

O diretor da Associação Norteriograndense de Criadores (Anorc), Acácio Brito, afirma que o preço “inviabiliza o uso do produto, sobretudo pelos produtores de menor porte e aqueles que estão baseados em regiões de reconhecida baixa produtividade, como é o caso do nosso semiárido”. “Infelizmente, o preço autorizado foi uma ducha de água fria no setor, que é extremamente dependente do milho subsidiado da Conab para viabilizar a alimentação dos animais. Nossa ideia agora é unir forças com as demais entidades representativas de todo o setor produtivo potiguar e fazer um apelo pela união da nossa bancada em torno do tema. A ideia é voltarmos ao Ministério da Agricultura para pedir que a saca do milho subsidiado fique mesmo em torno dos R$ 33 a saca”, diz Brito.

Fonte: Graphos Comunicação

11 out by João Ricardo Correia Tags:, , , ,

Justiça absolve acusado de furtar pedaços de carne

O princípio da insignificância deve ser aplicado quando o valor do bem furtado não representa efetiva lesão ao bem jurídico protegido. Assim entendeu a 5ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro ao absolver um homem acusado de furtar carne em um mercado.

O pedido foi concedido em Habeas Corpus impetrado pela Defensoria Pública do Rio de Janeiro. O TJ determinou o trancamento da ação penal por entender que “o bem jurídico foi atingido de forma tênue”.

De acordo com o processo, o homem foi preso em flagrante porque teria furtado dois pedaços de carne. Em depoimento, um segurança do mercado afirmou que as peças custariam aproximadamente R$ 210.

25 set by João Ricardo Correia Tags:, , , ,

“Humanização” de animais de estimação gera negócios bilionários

Cada vez mais, cachorros e gatos dividem espaços com seus donos em casa num comportamento tão próximo ao dos humanos, que envolve cardápios elaborados, direito a passeios especiais, adestradores e salão de beleza. Hábitos que geram negócios bilionários e estão em curva ascendente. Só o comércio varejista do mercado Pet faturou mais de R$ 32 bilhões no ano passado, estimulando a abertura de novos pontos de venda e a indústria do setor.

Dados da Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação (Abinpet) indicam que, no ano passado, os fabricantes de alimentos, medicamentos e acessórios para o mercado Pet tiveram um faturamento de R$ 20,37 bilhões, o equivalente a 6,9% a mais do que em 2016. Em 2018, a previsão é alcançar R$ 21,77 bilhões. Cerca de 68,6% desse total referem-se a produtos para nutrição animal, que em sua composição levam milho, soja, arroz, trigo e carnes de aves, bovinos e peixes.

11 set by João Ricardo Correia Tags:, , ,

Livros e carros lideram mercado de produtos usados no país

Pesquisa da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) revelou que livros e automóveis foram os produtos usados mais comprados nos últimos 12 meses. De acordo com os dados, nove entre dez consumidores pesquisados indicou preferência pela economia com a compra de produtos usados em sites ou aplicativos especializados.

O ranking dos objetos usados mais comercializados foi encabeçado por livros (54%), seguido por automóveis e motos (43%), eletrônicos e móveis (38%), telefones celulares e eletrodomésticos (36%). Os entrevistados também apontaram que eletrônicos (40%), automóveis (39%) e móveis e eletrodomésticos (36%) foram os objetos mais colocados à venda no período.

2 maio by João Ricardo Correia Tags:, , , , ,

Mercado financeiro projeta inflação de 6,94% e queda da economia em 3,89%

ECONOMIA1

A projeção de instituições financeiras para a inflação  este ano foi reduzida pela oitava semana consecutiva. Desta vez, a estimativa para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) passou de 6,98% para 6,94%. Para 2017, a projeção foi reduzida de 5,80% para 5,72%, no quarto ajuste consecutivo. Os números são do Boletim Focus, que é divulgado às segundas-feiras pelo Banco Central (BC). Ele traz projeções de instituições financeiras consultadas semanalmente sobre os principais indicadores da economia.

Mesmo com as reduções, as estimativas estão acima do centro da meta de 4,5%. O limite superior da meta de inflação é 6,5%, este ano e 6%, em 2017. É função do Banco Centra fazer com que a inflação fique dentro da meta. Um dos instrumentos usados para influenciar a atividade econômica e a inflação é a taxa básica de juros, a Selic.

Quando o Comitê de Política Monetária do Banco Central aumenta a Selic, a meta é conter a demanda aquecida, e isso gera reflexos nos preços, porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Já quando o Copom reduz os juros básicos, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, mas a medida alivia o controle sobre a inflação.

O BC tem que encontrar equilíbrio ao tomar decisões sobre a taxa básica de juros, de modo a fazer com que a inflação fique dentro da meta estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional.

A projeção das instituições financeiras para a Selic, ao final de 2016, foi mantida em 13,25% ao ano. Para o fim de 2017, a expectativa passou de 12% para 11,75% ao ano. Atualmente, a Selic está em 14,25% ao ano.

Atividade econômica

A estimativa para a queda do Produto Interno Bruto (PIB), a soma de todos os bens e serviços produzidos no país, foi alterada de 3,88% para 3,89%, na décima quinta piora consecutiva. Para 2017, a estimativa subiu de 0,30% para 0,40%, no segundo ajuste seguido.

A estimativa para a queda da produção industrial passou de 5,80% para 5,83%, este ano. Para 2017, a projeção de crescimento foi ajustada de 0,54% para 0,50%.

A projeção para a cotação do dólar passou de R$ 3,80 para R$ 3,72 ao fim deste ano, e de R$ 4 para R$ 3,91, no fim de 2017.

 

 

Fonte: Agência Brasil

29 fev by João Ricardo Correia Tags:, , , ,

Mercado estima queda da inflação após oito semanas em alta

INFLACAO

Após oito semanas de projeções em alta, as instituições financeiras estimam inflação em queda em 2016. Desta vez, o cálculo para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) passou de 7,62% para 7,57%.

Para 2017, a estimativa segue em 6%, de acordo com o boletim Focus, publicação divulgada semanalmente às segundas-feiras pelo Banco Central (BC), com base em projeções de instituições financeiras para os principais indicadores econômicos.

Os cálculos sobre a inflação estão distantes do centro da meta de 4,5%, e neste ano superam o teto de 6,5%. O limite superior da meta em 2017 é 6%.

Mesmo com a expectativa de alta da inflação, as instituições financeiras não esperam que o BC suba a taxa básica de juros, a Selic, neste ano de retração da atividade econômica. A projeção para o final de 2016 permanece em 14,25% ao ano e, para 2017, a expectativa é de redução da Selic para 12,50% ao ano.

A taxa é usada nas negociações de títulos públicos no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic) e serve como referência para as demais taxas de juros da economia. Ao reajustá-la para cima, o BC contém o excesso de demanda que pressiona os preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Quando reduz os juros básicos, o Copom barateia o crédito e incentiva a produção e o consumo, mas alivia o controle sobre a inflação.

A pesquisa do BC divulgada hoje (29) também traz a projeção para a inflação medida pelo Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI), que caiu de 7,84% para 7,83% este ano. O cálculo para 2017 segue em 5,50%.
Para o Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M), a estimativa passou de 7,75% para 7,99% este ano, e permanece em 5,50% em 2017.

A estimativa para o Índice de Preços ao Consumidor, da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (IPC-Fipe), foi mantida de 7,04% para 7,04%, e no próximo ano, em 5,40%. A projeção para os preços administrados permanece em 7,50% este ano e em 5,50% em 2017.

 

Fonte: Agência Brasil

7 jan by João Ricardo Correia Tags:, , , , ,

Mercado Modelo das Rocas é entregue à população

MERCADOROCAS1_MARCOPOLO

A Prefeitura do Natal inaugurou nesta terça-feira, 05, o Mercado Modelo das Rocas. A cerimônia contou com a presença do prefeito Carlos Eduardo; do ministro do Turismo Henrique Eduardo Alves, do senador Garibaldi Alves Filho, da senadora Fátima Bezerra, do presidente da Câmara Municipal Franklin Capistrano, do líder do prefeito na Câmara, Raniere Barbosa, de vários vereadores de Natal e dos secretários municipais.

Considerada uma das principais obras da gestão municipal o mercado se chamará “Mercado Modelo das Rocas “Francisca Barros de Morais”, uma homenagem à Dona Chiquinha, da Peixada da Comadre, por sua contribuição à sociedade natalense, à culinária potiguar e ao turismo da cidade.

O Mercado das Rocas, que teve um investimento de R$ 5 milhões, sendo R$ 4 milhões da Prefeitura do Natal e R$ 1 milhão do Governo Federal, por meio do Ministério do Turismo, irá estimular o turismo local tornando a gastronomia um dos principais atrativos do novo equipamento público. “Esse mercado significa muita coisa. Significa apoio ao pequeno empresário, significa a revitalização da zona leste da cidade. É um espaço muito especial e de qualidade que nós fizemos com muita dedicação e contribuirá para a cidade de Natal”, afirmou o Prefeito Carlos Eduardo.

O novo prédio tem 3.715,6 mil metros quadrados de área construída e conta com dois andares, 83 boxes, sendo 23 destinados a antigos proprietários, 57 disponibilizados por licitação e três destinados à administração. A ocupação dos boxes do Mercado Modelo das Rocas foi feita por pregões presenciais, que estabeleceram as regras, deveres e direitos para o bom funcionamento do Mercado. Um dos novos permissionários elogiou a estrutura e grandiosidade da obra. “Vai ser um local com mais segurança e a estrutura é de primeiro mundo. Ficou muito bom o novo mercado, espero ser melhor ainda pro comércio tanto pra mim como pros meus colegas”, afirmou Antônio Carlos.

O ministro Henrique Eduardo Alves também falou sobre a importância do Mercado Modelo das Rocas, que conta com a estrutura de um elevador, duas escadas, quatro entradas, quatro banheiros, dois vestiários e um fraldário, todos totalmente adaptados para portadores de deficiência física, espaço para caixas eletrônicos, dois balcões de informações, sistema interno de monitoramento eletrônico, zona de Wi-Fi, vigias e auxiliares de limpeza permanentes, além de um estacionamento com 50 vagas, sendo 30 para carros e 20 para motos. “Fico feliz de o Ministério do Turismo participar dessa obra que representa o legado de um passado e a projeção de um grande futuro para as Rocas, Santos Reis, Ribeira e pra cidade de Natal”, comentou Henrique Eduardo Alves.

Encerrada a cerimônia de inauguração foi realizado o show da banda Grafith no entorno do Mercado que teve sua área revitalizada com serviços de reforma da praça Irmã Vitória e do Pátio da Feira, revisão na iluminação e pavimentação de ruas. “Nós não fazemos apenas obras, nós fazemos obras bem feitas, de qualidade. Por isso, além do mercado, a Prefeitura também revitalizou a Praça Irmã Vitória e o Pátio da Feira”, finalizou o Prefeito.
 

Fonte: Secretaria Municipal de Comunicação
Foto: Marco Polo – Secom PMN

4 out by João Ricardo Correia Tags:, , , , , ,

Produtos orgânicos ainda são ignorados pelo mercado

ORGANICOS1_JOSE-CRUZ-ABR

Uma feira de pequenos produtores neste sábado (3) ao Parque da Cidade, diversos produtos da área rural da região do Distrito Federal. A feira, que faz parte da campanha “Compre do Pequeno Negócio, busca divulgar a variedade de produtos, bem como mostrar que muitas vezes as pessoas desconhecem que existem micro e pequenos empresários produzindo com mais qualidade produtos usados no nosso dia a dia.

A ação faz parte das comemorações do Dia Nacional da Micro e Pequena Empresa (5 de outubro), e trouxe para a população maior divulgação da produção rural do DF. O objetivo é mostrar que a valorização do pequeno negócio é benéfica para a vizinhança contribuindo para a qualidade de vida e preservação do meio ambiente. Cerca de 70 famílias participaram da feira que trouxe uma variedade de produtos hortifrutigranjeiros: mel, plantas ornamentais, sucos, pães, cafés, entre outros.

É o caso do chef de cozinha, Bruno Álvaro, de 23 anos, que estava divulgando o mel e outros produtos comercializados pela apícola do seu pai. Segundo Bruno, muitas vezes a população desconhece a produção, porque os pequenos produtores não têm como fazer uma propaganda  mais abrangente. “Espaços como esse [da feira] ajuda a divulgar a produção, muitas vezes o produtor não tem dinheiro para gastar com propaganda, o que dificulta tornar o seu produto conhecido e mesmo as pessoas que moram perto ficam sem saber que exite”, disse à Agência Brasil.

Ele lembra ainda que a produção local merece ser mais valorizada porque traz para a população produtos da região. Para a feira, além do mel, geléia real, extrato de própolis, o apiário do pai de Bruno também trouxe duas novidades: pão de mel e uma granola especial produzida sem a adição de açúcar. “Muitas vezes temos produtos bem mais saudáveis que os industrializados, mas a população não tem alcance, por isso esse espaço é importante,” disse.

“Eu mesmo faço receitas com base em produtos do Cerrado. Para a feira  trouxe cookies de granola e mel, e outros pratos com produtos do cerrado, como o pequi e o tamarindo”, ressaltou.

De acordo com o Serviço de Apoio a Micro e Pequena Empresa (Sebrae), o Brasil possui mais de 10 milhões de micro e pequenos empreendedores, que faturam no máximo R$ 3,6 milhões por ano. Juntos eles respondem por 52% dos empregos formais no país e ainda ajudam na geração de renda.

É o caso da dona de casa Maria de Fátima Araújo, que estava na feira ajudando na venda de mel. Ela argumenta que a atividade ajuda a manter o dinheiro circulando na vizinhança e sempre que eventos como este ocorrem, ela consegue uma renda extra. “Às vezes as pessoas pensam que não existem esses produtos perto de casa, eu venho aqui ajudar os amigos na divulgação e ainda consigo ganhar um dinheirinho.”

Pequenos negócios valorizados movimentam o comércio local e promovem o desenvolvimento social, representando mais de 95% do total de empresas brasileiras. Por isso, de acordo com o Sebrae a maior parte das atividades dos micro e pequenos empreendedores se concentra no Comércio (44%) e na prestação de serviços (35%). Somadas as outras atividades, eles ajudam a dar maior dinamicidade a economia e respondem por 27% do Produto Interno Bruto (PIB).

Para o produtor Valdaci de Freitas que participa pela primeira vez de uma iniciativa como essa, a experiência de divulgação tem sido positiva. Ao lado da filha, ele produz mandioca, em Brazlândia. O produto é embalado à vácuo, antes de ser comercializado. “Estamos aprimorando para oferecer melhor qualidade. Nosso produto já não leva agrotóxicos, mas a gente precisava melhorar a embalagem. Para atingir um público maior. Começamos a fazer isso há pouco tempo, essa aqui está sendo a nossa primeira experiência e o resultado tem sido muito satisfatório.”

A nova embalagem foi aprovada pelo funcionário público Arnaldo Souto Ribeiro que comprou 2,5 kg do produto. Segundo ele, a família adora comer mandioca cozida.” É muito bom poder comprar diretamente de quem produziu, a gente fica com mais confiança no que está levando. Quando chegar em casa, vou colocar para cozinhar  e comer com a família”.

O produtor rural Carlos Caetano, defende os produtos agrícolas de pequenos produtores por agredirem menos o meio ambiente. Dono de uma propriedade de 165 hectares, em Santo Antônio do Descoberto, no entorno do DF, onde produz café e frango orgânico, ele defende a pequena produção como uma alternativa para diminuir o impacto ambiental de grandes cultivos.

Em sua propriedade, ele cultiva café em regime agroflorestal, associando a agricultura e criação de animais (no caso frango e algumas cabeças de gado) com árvores, de maneira a combinar a produção e conservação dos recursos naturais. O Café, da variedade Catuaí é cultivado no sombreado e também irrigado. Desde o plantio, até a colheita, todo o processo é feito com o mínimo de impacto ao meio ambiente e também voltado para garantir ao máximo o aroma e o sabor dos grãos que só são torrados e moídos quando há demanda de compra.

“Estou convencido que o alimento [industrializado] que estamos ingerindo está muito ruim. Somo campeões no uso de agrotóxicos e, como mostram muitas pesquisas, isso não faz bem para a saúde. Comecei a produzir de maneira orgânica porque penso que temos a obrigação de produzir um alimento mais saudável, aliando a isso a preservação da natureza”, disse à Agência Brasil.

Único produtor de frango orgânico certificado na Região Centro-Oeste, Caetano reclama que os produtos orgânicos ainda são ignorados pelo mercado, que investe na massificação. Segundo ele, atualmente o frango orgânico produzido em sua fazenda custa mais ou menos o dobro do frango industrializado. Ele argumenta que os pequenos produtores, em especial os que trabalham com produção orgânica não recebem nenhum tipo de isenção de imposto ou estímulo para a produção, o que contribui para que a diferença de preço seja maior.

No caso do frango, Caetano disse à Agência Brasil que está trabalhando para reduzir essa diferença para 30% em até quatro anos. “Diferentemente dos animais de granjas industrializadas que são criados em ambiente artificial e estimulados a se alimentarem 24h por dias, os nossos frangos são criados próximos do natural, com ração orgânica e tratados com fitoterapia para prevenir enfermidades, só administramos as vacinas obrigatórias. Todo o processo segue o que determina a legislação”, disse.

Ainda de acordo com o produtor, a iniciativa, mesmo que sem muito apoio, está voltada para o desenvolvimento de novas tecnologias e de parcerias. Uma delas é com o abatedouro das aves, também certificado, e no desenvolvimento da embalagem para o café, que possui uma válvula unidirecional que expele o gás carbônico produzido naturalmente pelo café, mas evita a entrada de oxigênio e, consequentemente da oxidação do produto, o que levaria à perda das características, como aroma e sabor.

Ele defende ainda que o governo deveria ampliar os recursos voltados para a pesquisa de tecnologias envolvendo a produção orgânica. “Se não há investimento, a gente não tem o desenvolvimento de tecnologias adequadas para a produção, o que torna o risco do negócio maior. Mas, na medida em que você tenha mais produtividade, mais produtores envolvidos, um aumento na pesquisa, você diminui o custo”, ponderou.

 

Fonte: Agência Brasil
Foto: José Cruz – Agência Brasil

26 mar by João Ricardo Correia Tags:, , , , ,

Prefeito visita obras de revitalização do Mercado da Redinha

CEAMERCADO_MARCOPOLO

Um dos pontos turísticos mais visitados da cidade está ficando de cara nova. O tradicional Mercado da Redinha está sendo totalmente revitalizado pela Prefeitura do Natal por intermédio da Secretaria Municipal de Serviços Urbanos (Semsur) para atender melhor o público e quem trabalha no local. Na tarde desta quarta-feira (25) o prefeito Carlos Eduardo Alves visitou as obras para acompanhar de perto todos os detalhes.

A revitalização do Mercado da Redinha integra uma série de ações de recuperação dos mercados públicos da cidade. Para o prefeito, um dos principais compromissos de sua atual administração é entregar a população todos os mercados públicos reformados. “Aqui é um dos principais pontos turísticos de nossa cidade. Tenho um compromisso com quem trabalha e frequenta estes locais de reformar e revitalizar os principais mercados públicos de Natal. Ano passado fizemos diversas obras como no Mercado de Petrópolis e agora vamos deixar novinho em folha este lindo e tradicional mercado que é o da praia da Redinha”.

Contando com uma área de 1739 m², o mercado terá suas paredes reformadas, receberá um novo meio-fio de concreto pré-moldado, novo telhado, lixeiras ecologicamente corretas, pavimentação e rampas de acessibilidade. Será realizada também a recuperação dos banheiros, esgotamento sanitário do local, substituição das pias, colação de piso tátil, instalação de caixas d´águas, além de uma redistribuição dos boxes para melhor fluidez do público que visita o local.

CEAMERCADO3

Segundo o secretário de serviços urbanos, Raniere Barbosa, as reformas tem como objetivo fazer com que o público volte a frequentar os mercados. “Acreditamos que com a reforma a população voltará a frequentar e usufruir destes equipamentos como espaços culturais e de convivência”, afirma.

A obra terá um investimento da ordem de 350 mil reais, com recursos próprios e tem previsão de execução de 60 dias. O Mercado da Redinha, também ganhará uma nova pintura, substituição da iluminação, retirada dos pontos irregulares de energia e implantação de um sistema de proteção contra quebra de lâmpadas e explosões.

Conhecida no Mercado da Redinha, Ivanice Januário, filha da tradicional dona Dalila, comemorou o inicio das obras e espera que o movimento do mercado melhore. “Pedimos para a prefeitura esperar passar a época da alta estação para dar inicio as obras. Agora que as reformas começaram estamos bastante confiantes que o Mercado da Redinha terá de volta os grandes movimentos como antigamente”, comemorou.

OUTROS INVESTIMENTOS

No ano passado foi entregue à população a reforma dos mercados de Petrópolis, do Peixe e das Quintas; para este ano a Semsur incluiu em seu cronograma a entrega de mais três novos equipamentos revitalizados, os mercados da Redinha, da Avenida 06 e o mercado Modelo das Rocas.

Fonte: Secretaria Municipal de Comunicação

4 out by João Ricardo Correia Tags:, , , ,

Carlos Eduardo garante inauguração do Mercado das Rocas para dezembro e anuncia obras

CEA18_ALEXREGIS
Prefeito Carlos Eduardo: Rocas terá biblioteca virtual (Foto: Alex Régis)

Em entrevista na manhã desta quinta-feira (2), ao Jornal da 96 FM, o prefeito Carlos Eduardo falou sobre vários temas referentes à administração municipal e anunciou novas obras para Natal. Ao jornalista Diógenes Dantas, ele confirmou a reabertura do Mercado Modelo das Rocas para o mês de dezembro. O mesmo teve suas obras paralisadas durante quatro anos. Disse que o espaço vai incluir da gastronomia ao artesanato. “É um espaço para o natalense e também para os turistas do Brasil e do mundo que gostam de conhecer a cultura local”, salientou.

Próximo ao Mercado, ainda nas Rocas, a Prefeitura está construindo uma biblioteca virtual em parceria com a Federação das Indústrias do Rio Grande do Norte (Fiern). Além disso, o prefeito assinalou que as obras dos residenciais que abrigarão as famílias da comunidade do Maruim estão em execução. As famílias serão alojadas a 700 metros de onde moram hoje. Com a transferência, a Codern poderá iniciar as obras de expansão do Porto de Natal com a finalidade de dinamizar a economia do Estado. O chefe do executivo municipal anunciou, ainda, a reforma do centro comercial localizado em frente ao Mercado do Peixe. Com a iniciativa, os pescadores ganharão um grande frigorífico que dará a eles a capacidade de armazenamento dos pescados, viabilização e melhoramento de sua atividade.

Na entrevista, Carlos Eduardo lembrou que a atual gestão concluiu a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Cidade da Esperança e que a mesma está atendendo à população da zona Oeste. Em relação à UPA do conjunto Soledade, o prefeito disse que a obra está em curso e o prazo de entrega é para abril de 2015: “Eu quero dar a ordem de serviço em, no máximo, 15 dias para a quarta UPA de Natal, na extensão da avenida Omar O’Grady, na zona Oeste. Espero inaugurar essa UPA em julho do próximo ano”.

Sobre as obras finais de Mãe Luiza, o chefe do executivo municipal assinalou que o projeto está pronto e aprovado – valor superior a R$ 8 milhões -, faltando apenas a liberação dos recursos para a prefeitura abrir a licitação. Ocorre que o gestor foi informado pelo Ministério do Planejamento que não pode haver assinatura de convênio com o governo federal no período eleitoral. Por esse motivo, ele irá ao Ministério do Planejamento, na próxima terça-feira (7), para discutir a questão com a ministra da pasta, Miriam Belchior. No período emergencial, o Ministério da Integração liberou R$ 3,3 milhões para as primeiras obras em Mãe Luiza, como a drenagem da área, pavimentação e a encosta do terreno. Na primeira etapa das obras, a Prefeitura já gastou R$ 2 milhões para garantir a segurança da população.

Sobre a urbanização do bairro Lagoa Azul, o prefeito informou que o investimento é da ordem de R$ 135 milhões e a licitação sai até o fim deste mês. O investimento inclui obras de saneamento, drenagem, abastecimento d’água e a pavimentação de quase 500 ruas na zona Norte, beneficiando as comunidades Câmara Cascudo, Cidade Praia, Boa Esperança, Vila Paraíso, José Sarney, Parque dos Coqueiros e Nordelândia. “Além disso, o projeto inclui a construção de três grandes escolas de ensino fundamental, dois Centros de Referência de Assistência Social (Cras) e praças esportivas para a comunidade, entre quadras e campos de futebol. É um grande projeto que terá a duração de doze meses, e nós deveremos iniciá-lo no fim deste ano, após o processo licitatório”, garantiu.

Mais obras de mobilidade na capital foram anunciadas pelo prefeito. Com R$ 127 milhões disponíveis, a prefeitura dará início em novembro próximo à licitação de um projeto, que inclui túnel no cruzamento das avenidas Hermes da Fonseca e Alexandrino de Alencar, viaduto entre as avenidas Xavier da Silveira e Bernardo Vieira, recapeamento de ruas e avenidas de Natal no valor de R$ 30 milhões, dois mil abrigos padronizados para os usuários de transporte coletivo e mais quatro estações de transferência, duas das quais em início de construção, sendo uma na zona Norte, e outra, na zona Sul. As estações serão climatizadas, mostrarão o itinerário dos ônibus com bastante visibilidade e darão acesso à internet.

 

Fonte: Secretaria Municipal de Comunicação

Fale no ZAP