28 ago by João Ricardo Correia Tags:, , , ,

Pesquisa mostra que tempo gasto com celular preocupa adolescentes e pais

O crescimento do uso de tecnologias digitais gera preocupações dos próprios usuários com os excessos do tempo gasto com esses dispositivos. Pesquisa realizada nos Estados Unidos apontou que mais da metade dos adolescentes entrevistados (54%) consideram passar muito tempo com o celular. O levantamento foi uma iniciativa do centro de pesquisas Pew Research Center. Foram entrevistados 743 meninos e meninas de 13 a 17 anos e 1.058 pais de diversas regiões do país.

Quase metade dos jovens ouvidos (44%) disse checar o telefone assim que acorda para verificar o recebimento de novas mensagens. Segundo os dados, 28% relataram que agem assim de vez em quando. O tempo navegando em redes sociais foi objeto de preocupação de 41% dos adolescentes consultados. No caso de videogames, o percentual caiu para 26%. Do total, 58% comentaram sentir que devem responder a uma mensagem enviada, sendo 18% frequentemente e 40% em alguns momentos.

13 ago by João Ricardo Correia Tags:, , , ,

Lei trabalhista garante licença-paternidade e outros direitos aos pais

Embora muitos pais não saibam, eles possuem um direito fundamental além da licença-paternidade: o direito de se afastar do trabalho para dar assistência especial ou levar o filho ao médico, sem prejuízos.

A licença-paternidade é de cinco dias seguidos, sendo que no serviço público federal e em empresas que fazem parte do Programa Empresa Cidadã o período é ampliado para 20 dias corridos. A mesma regra vale para homens que adotarem filhos.

Eles também têm o direito de se ausentar do trabalho para levar os filhos de até seis anos de idade ao médico uma vez por ano, sem desconto na folha de pagamento ou banco de horas.

4 ago by João Ricardo Correia Tags:, , , , , ,

IPDC/Fecomércio: presente para os pais terá valor maior este ano em Natal e Mossoró

 

O Dia dos Pais, comemorado este ano no dia 13 de agosto, é uma das datas importantes para o comércio. De olho nisso, o Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento do Comércio (IPDC) da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (Fecomércio RN), realizou, em julho, levantamento em Natal e Mossoró sobre a intenção de compras para a data. A pesquisa constatou que quase a metade dos entrevistados não pretendem presentear seus parentes, mas entre os consumidores, houve um aumento no valor médio que deverá ser gasto nas compras.

De acordo com o levantamento este valor médio gasto com presente será equivalente a R$ 100,28 em Mossoró (alta de 2,1% em relação ao ano passado já descontada a inflação) e de R$ 101,96 em Natal (alta de 0,9% sobre 2016 também descontando a inflação).

10 out by João Ricardo Correia Tags:, , , , , , ,

Vaquejadas: decisão do STF deixará milhares de pessoas desempregadas

vaquejada3

Joaquim Pinheiro

Uma decisão equivocada do STF – Supremo Tribunal Federal causará o desemprego de milhares de pessoas, principalmente numa das regiões mais pobres do Brasil, que é a nordestina. Sem fazer um debate com a população nem tampouco ouvir os segmentos envolvidos com a causa, alguns dos senhores magistrados que compõem aquela Corte de Justiça decidiram acabar com as vaquejadas, evento secular e representativo da cultura nordestina que vem ao longo de décadas resistindo as adversidades, como intempéries do tempo materializadas através de secas catastróficas como a que se vivencia agora, deixando a população sem nenhuma alternativa de sobrevivência.

A alegação é de que as vaquejadas maltratam os animais, sem saber que essa atividade tem evoluído nesse quesito através de novas técnicas de proteção a bois e a cavalos. Existe todo um cuidado para garantir a integridade física da boiada e dos cavalos. A decisão piora a situação do desemprego, deixando desamparados milhares de pais de família que vivem dessa atividade. E os rodeios também vão ser proibidos?

Melhor seria se os senhores ministros decidissem por outras questões de relevância para o País, como por exemplo, coibir abusos de pessoas que recebem altos salários e benesses dentro da própria magistratura. Examinar o recebimento de aposentadorias múltiplas e imorais dentro dos três Poderes da República, muitas vezes ultrapassando o limite permitido por lei, que é não receber acima do presidente da República. A proibição de vaquejadas causará um dano irreparável ao povo nordestino, já que essa atividade emprega vaqueiros, tratadores de animais, caminhoneiros e outros motoristas, além de pequenos comerciantes, mesmo que temporários. É um universo grande de pessoas que tem nessa atividade a única maneira de sobreviver. As vaquejadas é também uma festa no interior, onde famílias reúnem-se para se reencontrar e comemorar a vida numa verdadeira integração do homem do campo na expressão maior da sua nordestinidade. Diante dessa decisão equivocada do STF, é necessário a união e mobilização da sociedade, particularmente as pessoas atingidas, para pressionar e reverter a situação uma situação que se prenuncia catastrófica.

3 fev by João Ricardo Correia Tags:, , , , ,

Aprovado relatório de Fátima a projeto do Marco Legal da Primeira Infância

FATIMABEZERRA

Os direitos das crianças de até seis anos serão garantidos por políticas públicas voltadas especificamente à primeira infância. O Senado aprovou, nesta quarta-feira (3), o projeto de lei da Câmara nº 14/15, relatado pela senadora Fátima Bezerra (PT-RN), que cria um marco legal para a primeira infância, reunindo em uma mesma lei as amplas proteções necessárias para o desenvolvimento integral das crianças nessa faixa etária. Para acelerar a aprovação da lei, a senadora Fátima apresentou apenas emendas de redação ao texto, garantindo assim que a matéria não precisasse retornar à Câmara. O relatório da senadora foi bastante elogiado parlamentares de vários partidos.

O projeto define a primeira infância como o período que vai do nascimento até os seis anos de idade e inova ao prever, além da proteção, como já determinada no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), a promoção do desenvolvimento integral dos meninos e meninas. Outro avanço da legislação é que prevê que a opinião da criança seja considerada na elaboração das políticas para a primeira infância, obviamente considerando as peculiaridades da idade e as formas de expressão próprias.

De acordo com a proposta, as áreas de educação infantil, alimentação, nutrição, convivência familiar e comunitária, assistência social, cultura, lazer e proteção serão prioridades nas políticas públicas. Os pais e as mães serão responsáveis, juntamente com o estados, municípios, União e toda a sociedade, pela proteção, educação, promoção e pelo desenvolvimento das crianças.

O texto também afirma que as gestantes receberão apoio da União, dos estados e dos municípios durante todo o período da gravidez. Além disso, as gestantes e as famílias com crianças na primeira infância receberão orientação e formação sobre maternidade e paternidade responsável, alimentação saudável, desenvolvimento infantil integrado, prevenção de acidentes e educação sem castigo. O marco legal também prevê identificação e prevenção dos casos de violência sofridos pela gestante ou pela criança, em mecanismo semelhante aos que já vêm sendo utilizados em outros países, por meio do sistema de saúde. A proposta aprovada ainda desonera e facilita o registro de crianças, além de prever o acompanhamento contínuo das políticas públicas, como sugere a Organização das Nações Unidas.

Outro ponto previsto no texto aprovado é a prorrogação, por mais 15 dias, da licença paternidade, além dos 5 dias já estabelecidos por lei, para as empresas que aderirem ao Programa Empresa Cidadã, e a obrigatoriedade de União, estados, Distrito Federal e municípios organizarem e estimularem a criação de espaços lúdicos que propiciem o bem-estar, o brincar e o exercícios da criatividade em locais públicos e privados. Fica também garantido o apoio da União na elaboração dos planos estaduais e municipais da primeira infância.

Segundo a senadora, o texto aprovado é muito avançado. “O projeto estende o olhar sobre todos os direitos da criança na primeira infância e na sua relação com a família, nas mais variadas áreas, como saúde, educação infantil, proteção social, defesa contra as diferentes violências. Moderniza ainda a legislação no que diz respeito ao aleitamento e formação de vínculo, convivência familiar e comunitária e identificação de sinais de riscos para o desenvolvimento sadio de nossos meninos e meninas”. A senadora também destacou a importância da nova legislação em relação à orientação e ao apoio à família em situação de vulnerabilidade e no que se refere a formação continuada dos profissionais que atuam diretamente com as crianças nas diferentes áreas.

Ao encaminhar a matéria para discussão, o senador Romero Jucá (PMDB-RR), que presidia a sessão, disse que a senadora foi escolhida pela Mesa como relatora única da proposta na Casa em razão de seu amplo conhecimento e compromisso com a primeira infância. “E ela relatou a matéria de forma brilhante”, destacou Jucá.

Parabenizaram ainda a senadora Fátima Bezerra pelo relatório, os senadores José Serra (PSDB-SP), Dário Berger (PMDB-SC), Ricardo Ferraço (PMDB – ES), José Medeiros (PPS – MT), Lasier Martins (PDT-RS), Paulo Paim (PT-RS), Cristovam Buarque (PDT-DF), Lúcia Vânia (PSB-GO), Rose de Freitas (PMDB-ES) e Simone Tebet (PMDB-MS).

Na Câmara, a proposta foi elaborada por um grupo de deputados e deputadas: Osmar Terra, Nelson Marchezan Junior, Eleuses Paiva, Raul Henry, Geraldo Resende, Darcísio Perondi, Rubens Bueno, Gabriel Chalita, Mandetta, Eduardo Barbosa, Rosane Ferreira, Jandira Feghali, Carmen Zanotto e Gorete Pereira.

O projeto, que agora segue para sanção presidencial, está em sintonia com o novo Plano de Ações Articuladas (PAR) do Ministério da Educação e com a metas nº 1 do Plano Nacional de Educação (PNE), que priorizam a universalização da educação infantil no Brasil.

 

 

Fonte: Assessoria de Imprensa da
senadora Fátima Bezerra (PT-RN)

 

16 abr by João Ricardo Correia Tags:, , , , ,

Japão desenvolve barreira para conter tsunamis

TSUNAMI_REUTERS

Uma equipe da Universidade de Nagoya, no centro do Japão, em colaboração com a Hitachi Zosen e outras entidades, desenvolveu ensaios que provam a eficácia do sistema, que “pode começar a ser aplicado a qualquer momento”, explicou hoje (16) à agência EFE um porta-voz do grupo.

Quando colocada em cima de um dique convencional, a estrutura proporciona altura adicional e amortece o impacto da água sem obstruir a visão.

Essas estruturas só se estendem quando o nível do mar sobe e a força das ondas as eleva para formar um bloqueio.

As barreiras até agora construídas com esse fim, como as que existem em várias áreas do litoral japonês, demonstraram sua eficácia para aguentar ondas de até dez metros.

Muitos municípios do Japão decidiram construir novas barreiras marítimas após o terremoto de magnitude 9, que abalou o país em 11 de março de 2011 e que gerou um tsunami com ondas de mais de 15 metros, causando cerca de 20 mil mortos e 470 mil deslocados na Região Nordeste

A construção desse tipo de bloqueio, no entanto, gerou alguma resistência entre a população de algumas localidades do Nordeste do país, devido a razões como o seu impacto sobre a paisagem.

O novo modelo é apresentado como alternativa às iniciativas já existentes.

 

 

Fonte: Agência Brasil / Foto: Agência Reuters

14 abr by João Ricardo Correia Tags:, , ,

Governo de Portugal quer que pais de menores possam acessar lista de pedófilos

DETETIVE1

Portugal está discutindo a criação de um cadastro nacional com o nome de todos aqueles que foram condenados por pedofilia. Pela proposta do governo, essa lista poderia ser acessada pelos pais de menores de 16 anos, desde que com autorização da polícia. Os inscritos na lista também seriam impedidos de exercer qualquer trabalho ligado a crianças.

O projeto de lei, escrito pelo Ministério da Justiça, foi apresentado ao Parlamento português. Ele prevê que os condenados por pedofilia fiquem na lista apenas por um tempo determinado, de acordo com a pena, e não indefinidamente. Por exemplo, para penas de um ano, o nome do culpado figuraria no cadastro por cinco anos. Se a pena for de dez anos, esse tempo salta para duas décadas.

Antes de sair do papel, no entanto, a lista de pedófilos deve enfrentar uma dura batalha. Juízes, advogados e promotores têm classificado o cadastro como um linchamento público. Para boa parte da comunidade jurídica, o problema da lista é ela poder ser consultada pelos pais. Esse grupo defende que um eventual cadastro de pedófilos seja restrito às autoridades.

 

Fonte: Consultor Jurídico

Fale no ZAP