Tag: preço

10 jan by João Ricardo Correia Tags:, , , ,

Litro do diesel está mais caro nas refinarias

O litro do diesel negociado hoje (10) nas refinarias está mais caro. De acordo com a Petrobras, o preço do combustível passou de R$ 1,8545 para R$ 1,9009. O diesel não aumentava desde 1° de Janeiro, quando subiu de R$ 1,8088 para R$ 1,8545.

No fim de dezembro, a Petrobras anunciou a aprovação de mecanismo financeiro de proteção complementar à política de preços do diesel. Segundo a empresa, o mecanismo objetiva permitir a opção de adotar períodos de estabilidade no preço do produto por prazos curtos, em até sete dias consecutivos, em momentos em que houver forte oscilação nas cotações internacionais do derivado e do câmbio. O mecanismo de proteção já existe para a gasolina.

A estatal vai definir o momento de aplicação do mecanismo ao produto, quando for registrada elevada volatilidade. “O objetivo é evitar uma eventual alta volatilidade em períodos curtos de tempo, como a provocada pela passagem de furacões no Golfo do México”, destacou a Petrobras.

1 jan by João Ricardo Correia Tags:, , , ,

Subsídio chega ao fim e diesel sobe 2,5% nas refinarias

A Petrobras anunciou no último dia de 2018 que o preço médio nacional de comercialização de diesel em suas refinarias subirá 2,5%, passando a ser R$1,8545 por litro. O novo valor entrou em vigor a partir de 0h de hoje.

O aumento decorre do fim do subsídio pactuado entre o governo federal e os caminhoneiros que lideraram a paralisação ocorrida no final de maio. Na ocasião, milhares de veículos ficaram estacionados nas estradas e não distribuíram mercadorias, provocando desabastecimento de vários itens em todo o país, como combustível e alimentos.

Para superar o impasse, um dos pontos do acordo foi uma redução de R$0,46 do preço diesel nas refinarias. Desse valor, R$ 0,16 foram obtidos por meio de redução de tributos, R$ 0,30 foram assegurados por meio do programa de subvenção que seria válido inicialmente por 60 dias. Posteriormente, o governo federal decidiu prorrogá-lo até o fim do ano.

De acordo com nota divulgada pela Petrobras, apesar do aumento, o custo praticado nas refinarias será ainda 11,75% mais baixo do que era em 31 de maio, quando foi anunciado o último valor antes do subsídio entrar em vigor. “Esta alteração é consequência da variação do câmbio e do preço internacional do diesel no período”, informou a estatal.

Já considerando o reajuste, o preço médio do diesel comercializado pela Petrobras acumula queda de 2,1% em 12 meses. O valor cobrado nas refinarias da estatal está atrelado, entre outras variáveis, a cotações internacionais do combustível e do câmbio. Já o valor pago pelo consumidor nos postos de combustível agrega outros fatores como a incidência de tributos e as margens de lucro dos distribuidores e revendedores.

Por Léo Rodrigues – Repórter da Agência Brasil / Rio de Janeiro

28 nov by João Ricardo Correia Tags:, , , ,

Aumento da produção de etanol de milho deve baratear combustíveis

A Comissão de Agricultura (CRA) debateu nesta terça-feira (27) o aumento dos investimentos na produção de etanol de milho na região Centro-Oeste. Debatedores e senadores destacaram o potencial da produção para gerar renda e abastecer o país, contribuindo para a redução do preço médio dos combustíveis.

O representante do Ministério das Minas e Energia (MME), Marlon Leal, alertou que o mercado de etanol proveniente da cana está estagnado nos últimos anos, o que torna “muito bem-vindos” os recentes investimentos no etanol de milho. Ele apresentou estudos da pasta que demonstram que o crescimento do setor de etanol acaba trazendo para baixo no preço dos combustíveis em geral, por ser um produto mais barato. Os dados do MME baseiam-se em levantamentos feitos no estado de São Paulo.

— Desde 2006 o etanol é mais barato. Esse é um dado já consolidado. Portanto quanto mais se oferta e se usa dele, maior é seu impacto na cesta de combustíveis. Só em 2018 o consumidor paulista economizou R$ 1,7 bilhão em combustíveis, comparado com o que gastaria caso não se ofertasse etanol. Desde 2006, a economia já chega a R$ 28 bilhões — detalhou Leal.

28 set by João Ricardo Correia Tags:, , , ,

Contas de luz continuam com tarifa mais alta em outubro

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) informou hoje (28) que vai manter a cobrança extra na conta de luz no patamar mais alto em outubro.

Desde junho, as contas de luz estão na bandeira vermelha, patamar 2, o que acarreta cobrança extra de R$ 5 a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos. Segundo a agência, a cobrança será mantida porque ainda são desfavoráveis as condições hidrológicas e por causa da queda no nível de armazenamento dos principais reservatórios do Sistema Interligado Nacional (SIN).

6 set by João Ricardo Correia Tags:, , ,

Petrobras “poderá” manter preço da gasolina estável por até 15 dias

A Petrobras anunciou hoje (6), no Rio de Janeiro, um mecanismo financeiro que permitirá manter o preço da gasolina estável por até 15 dias.

Chamado de mecanismo de hedge, ele será opcional e visa reduzir a volatilidade [variação] do preço do combustível sem afetar o resultado financeiro da estatal.

A nova ferramenta foi anunciada pelo diretor financeiro da Petrobras, Rafael Grisolia, e pelo diretor de refino e gás natural, Jorge Celestino, que concederam uma entrevista para explicar a decisão.

4 set by João Ricardo Correia Tags:, , , ,

Prepare o bolso: preço da gasolina vai subir amanhã

Enquanto a politicagem sebosa está solta por aí, com milhares de senhores e senhoras com caras de bonzinhos, implorando votos para serem nossos “representantes”, o preço da gasolina vai subir novamente, ou seja: vai ficar tudo mais caro. Mas os candidatos e candidatas vão continuar prometendo dias melhores para todo mundo… E a maioria dos eleitores vai continuar acreditando.

Cinco dias após o último aumento no preço da gasolina, a Petrobras acaba de anunciar que a partir de amanhã (5), nas refinarias de todo o país, o preço do derivado estará 1,68% mais caro. Com o novo aumento, o preço do litro da gasolina passará de R$ 1,1704, que vigorava desde o último sábado (1º), para R$ 2,2069. É o valor mais alto cobrado pelo preço do litro da gasolina desde junho do ano passado, quando a Petrobras mudou a política de preços e passou a acompanhar as oscilações do preço da commoditie no mercado externo.

16 ago by João Ricardo Correia Tags:, , , ,

Rotina brasileira: gasolina vai ficar mais cara a partir desta sexta

O litro da gasolina nas refinarias passará a custar R$ 1,9810 a partir desta sexta-feira (17), um aumento de 0,5% em relação ao preço de R$ 1,9711 cobrado hoje.

O reajuste consta da página da Petrobras na internet e indica que o preço do óleo diesel, congelado até o 1º de dezembro, como parte do acordo que levou ao término da greve dos caminhoneiros, continuará em R$ 2,0316, embutindo a subvenção concedida pelo governo quando das negociações com os grevistas.

14 out by João Ricardo Correia Tags:, , , , , ,

Petrobras reduz preço da gasolina nas refinarias em 3,2%

 

gasolina

A Petrobras anunciou hoje (14) a redução do preço da gasolina em 3,2% em suas refinarias, a partir da zero hora de amanhã (15). Também haverá redução de 2,7% no preço do diesel. Os reajustes são reflexo de uma nova política de preços aprovada ontem (13) pela empresa.

A redução é para o combustível vendido no atacado para postos de gasolina. O impacto dessas reduções no bolso do consumidor dependerá das estratégias de cada posto. Mas, se o repasse da redução no preço na refinaria for feito integralmente para o preço ao consumidor, as reduções serão de 1,4% na gasolina e 1,8% no diesel.

A nova política terá preço de paridade internacional (PPI), margem para remuneração de riscos inerentes à operação e nível de participação no mercado. A empresa estabeleceu, entre outras coisas, que nunca terá preços abaixo da paridade internacional. A política de preço de paridade internacional (PPI) inclui os custos com frete de navios, custos internos de transportes e taxas portuárias.

Os preços serão revistos pelo menos uma vez por mês. Eles podem ser reduzidos, aumentados ou mantidos.

Fonte: Agência Brasil

23 nov by João Ricardo Correia Tags:, , , , ,

MSF lança campanha global pedindo redução do preço da vacina pneumocócica

VACINAPNEUMOCOCICA1_IKRAM-NGADI
A organização humanitária internacional Médicos Sem Fronteiras (MSF) lançou dia 12 passado uma petição global na ocasião do Dia Mundial de Combate à Pneumonia, pedindo às empresas farmacêuticas Pfizer e GlaxoSmithKline (GSK) para reduzirem o preço da vacina para US$5 por criança (para todas as três doses) em todos os países em desenvolvimento e para organizações humanitárias.

Após anos de negociações sem resultados com ambas as empresas para que reduzissem o preço da vacina para uso em seus projetos em países em desenvolvimento e crises humanitárias, MSF pede ajuda do público para pressionar as empresas. A pneumonia é a principal causa global de mortalidade infantil e mata quase um milhão de crianças por ano.

ASSINE A PETIÇÃO EM: MSF.ORG.BR/DOSE-JUSTA

“A vacina pneumocócica é a que mais vende no mundo, e, no último ano, a Pfizer arrecadou mais de US$4,4 bilhões só em vendas desse produto”, disse o Dr. Manica Balasegaram, diretor executivo da Campanha de Acesso a Medicamentos de MSF. “A Pfizer e a GSK cobram preços tão altos pela vacina pneumocócica que muitos governos e organizações humanitárias não conseguem vacinar crianças. Após arrecadarem mais de US$28 bilhões até o momento somente com vendas da vacina pneumocócica, nós achamos que é bastante seguro dizer que a Pfizer e a GSK têm condições de baixar o preço para que todos os países em desenvolvimento possam proteger suas crianças desse algoz da infância.”

Com a Pfizer arrecadando mais de US$17 milhões em vendas diárias somente da vacina pneumocócica, para o Dia Mundial de Combate à Pneumonia, MSF deu início a uma campanha com uma petição e um protesto em frente à sede da empresa em Nova Iorque, em uma tentativa de entregar ao CEO da empresa, Ian Read, mais de 17 milhões de dólares em notas falsas. MSF também colocou um anúncio no ponto de ônibus em frente ao edifício da Pfizer, que traz a pergunta: “Ei, Pfizer, por que suas vacinas têm um preço fora de alcance para crianças em necessidade?”

Em janeiro, MSF lançou o relatório sobre o preço de vacinas “A dose certa: derrubando barreiras para vacinas acessíveis e adaptadas” (The Right Shot: Bringing Down Barriers to Affordable and Adapted Vaccines, em inglês), que demonstrou que nos países mais pobres, com a adição de novas vacinas, o preço para vacinar uma criança é atualmente 68 vezes mais caro do que em 2001, com muitas regiões do mundo incapazes de arcar com os novos e altos custos das vacinas, como a que combate a pneumonia.

“Como médicos que já viram muitas crianças morrerem de pneumonia, não vamos recuar até sabermos que todos os países possam arcar com a vacina”, disse o Dr. Manica Balasegaram. “Estamos pedindo que você se una ao nosso esforço global assinando a petição para dizer à Pfizer e à GSK que é hora de reduzir o preço da vacina pneumocócica.”

Em maio, 193 governos se reuniram em Genebra para a Assembleia Mundial da Saúde anual, onde foi aprovada por unanimidade uma resolução exigindo vacinas a preços mais acessíveis e maior transparência acerca dos valores das vacinas. Governos de mais de 50 países ressaltaram as crescentes desigualdades entre eles, causadas pelo aumento dos encargos financeiros trazidos pelas novas vacinas, com muitos deles afirmando que o alto custo das novas vacinas, como a pneumocócica, proibiu-os de introduzi-las ou ameaçou a capacidade de sustentá-las em seus programas de imunização de rotina.

“Qual é o sentido de uma vacina que pode salvar vidas se as pessoas mais vulneráveis não podem pagar por ela?”, questionou o Dr. Manica Balasegaram.

 

Fonte: www.msf.org.br
Foto: Ikram N’gadi

 

27 mar by João Ricardo Correia Tags:, , ,

CMED fixa em 3,35% o ajuste médio no preço máximo de medicamentos

A Câmara de Regulação do Mercado de Medicamento (CMED) fixou em 3,35% o ajuste médio permitido este ano aos fabricantes na definição do preço máximo dos produtos. Este é um dos menores índices de ajuste autorizado para o mercado regulado de medicamentos dos últimos cinco anos e, assim como vem ocorrendo desde 2010, o percentual se mantém abaixo da inflação. O IPCA dos últimos 12 meses ficou em 5,68%.

A resolução do Conselho de Ministros da CMED com os percentuais de ajuste do valor teto de fábrica será publicada nesta quinta-feira (27) no Diário Oficial da União. A partir de 31 de março, as farmacêuticas e distribuidoras já podem adotar os novos preços, desde que realizem a entrega do Relatório de Comercialização obrigatório.

A regulação é válida para um universo de mais de 9.000 medicamentos e os ajustes são autorizados em três níveis, variando de 1,02% a 5,68%, conforme o perfil de concorrência dos produtos. O governo federal autoriza o maior percentual aos medicamentos de maior concorrência, com maior participação de genéricos, e que o próprio funcionamento do mercado já mantém os preços abaixo do teto. De forma geral, estão nesta lista os produtos mais acessíveis.

Já os percentuais menores poderão ser aplicados aos mercados de média e baixa concorrência, incluindo produtos de alta tecnologia e geralmente mais caros. Mais de 40% dos medicamentos regulados estão na categoria nível três, de menor concorrência, cujas fábricas só poderão ajustar o preço teto em 1,02%, percentual 5,5 vezes menor que a inflação.

O ajuste autorizado pode alterar o preço máximo de fábrica, porém não impacta diretamente no valor pago pelo consumidor, uma vez que muitas empresas adotam descontos na comercialização dos produtos.

A CMED, órgão integrante do Conselho de Governo e formado por um conselho de ministros, fixa o índice de ajuste do preço de fábrica anualmente, com base em critérios técnicos definidos na Lei Federal 10.742 de 2003. São considerados para o cálculo a inflação do período (de março de 2013 até fevereiro de 2014), produtividade da indústria, variação de custos dos insumos e concorrência dentro do próprio setor.

 

(Fonte: Agência Saúde)

3 jul by Henrique Goes Tags:, , ,

PASSAGENS DO TRANSPORTE PÚBLICO PODEM FICAR ATÉ 15% MENOS CARAS

Passagem do transporte público podem ficar até 15% menos caras. A Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado concluiu hoje (2), a votação do projeto PLC 310/2009, que pode diminuir em até 15% o valor das tarifas de ônibus com isenções de impostos e contribuições por meio do Regime Especial de Incentivos para o Transporte Coletivo Urbano e Metropolitano de Passageiros (Reitup). A redução das tarifas é uma das principais reivindicações das manifestações populares que tomaram as ruas do país.

Imagem de internet

Aprovada em caráter terminativo, o projeto deve seguir direto para a Câmara dos Deputados, se não houver apresentação de recurso para que a matéria seja apreciada no plenário do Senado.

A proposta dá mais transparência ao setor de transporte público uma vez que os empresários terão que divulgar na internet suas planilhas de custo para que qualquer cidadão tenha acesso.

“Esse é um projeto que vai além de desoneração. O que as ruas estão pedindo é que a gente abra as caixas pretas das empresas de transporte coletivo e isso a gente fez neste projeto”, ressaltou o relator da proposta na CAE, Lindbergh Farias (PT-RJ).

Ao lembrar que o governo federal já fez várias desonerações do PIS/Cofins, da Cide e da contribuição patronal à seguridade social, o relator ressaltou que a adesão de estados e municípios é voluntária, mas diante dos protestos, estima que deve ser grande.

Para aderir ao Reitup, será preciso cumprir algumas condições. A primeira é que a escolha das empresas responsáveis pelo sistema de transporte público seja por meio de licitação. “Hoje, 95% das linhas de ônibus no país não foram licitadas”, disse o relator. Por causa disso, os governos terão prazo de dois anos para fazer licitações e se adequar ao bilhete único ou ao sistema integrado de transporte.

Para terem direito às desonerações, estados e municípios também terão que instalar um Conselho de Transportes com participação da sociedade civil.

Uma emenda apresentada pelo senador Aloysio Nunes (PSDB-SP) garante que tudo que implicar em subsídio da prefeitura e do estado para reduzir tarifa, assim como tudo que for investido em transporte coletivo, poderá ser abatido da prestação mensal da dívida de estados e municípios com a União.

“Essa é uma reivindicação unânime dos governadores e prefeitos que estão hoje com a corda no pescoço e não conseguem pagar suas prestações da dívida”, explicou Nunes.

Outra emenda aceita, proposta pelo senador Blairo Maggi ( PR-MT), incentiva a frota verde, ao passar de 5% para 20% o percentual de biodiesel no diesel utilizado no transporte público.

A sessão foi acompanhada pelos prefeitos de São Paulo, Fernando Haddad (PT); de Belo Horizonte, Márcio Lacerda (PSB); e pelo prefeito de Porto Alegre, José Fortunati (PDT), que também é presidente da Frente Nacional de Prefeitos.

“Nós negociamos amplamente com os senadores, fizemos um amplo debate que permite que nós tenhamos uma regulação do sistema de transporte coletivo no país com maior transparência”, disse Fortunati.

Fonte: Agência Brasil

7 maio by Henrique Goes Tags:, , ,

IDEMA REGISTRA AUMENTO DE 1,36% NA CESTA BÁSICA DO NATALENSE

Aquilo que todo mundo tem sentido no bolso quando vai às compras foi confirmado pelo Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente do Rio Grande do Norte (IDEMA). O custo da cesta básica na capital  apresentou variação positiva, registrando acréscimo de 1,36% em relação ao mês de março. Nas despesas com os produtos essenciais, o custo com a alimentação por pessoa foi de R$ 255,31. Para uma família constituída por quatro pessoas, esse valor alcançou R$ 1.021,24. Se a essa quantia fossem adicionados os gastos com vestuário, despesas pessoais, transportes etc., o dispêndio total seria de R$ 3.149,12.

Imagem de internet

Dos treze produtos que compõem a Cesta Básica, nove apresentaram alta, sendo eles: Legumes (13,34%), Leite (5,27%), Feijão (5,27%), Frutas (4,03%), Pão (3,30%), Margarina (2,30%), Farinha (2,07%), Tubérculos (1,37%) e Açúcar (0,54%). As variações negativas ocorreram em: Carne de Boi (-5,71%), Óleo (-3,71%), Arroz (-1,68%) e Café (-0,10%).

Com informações da Assessoria do Idema

4 abr by Henrique Goes Tags:, , ,

GOVERNO LIBERA AUMENTO NO PREÇO DE REMÉDIOS; REAJUSTE PODE CHEGAR A 6,31%

Uma má notícia para o consumidor. De  acordo com resolução da Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (Cmed) publicada  no Diário Oficial da União foi autorizado o reajuste de até 6,31% nos preços dos remédios. As mudanças valem para três grupos de medicamentos, definidos de acordo com o nível de participação de genéricos.

remedio_dinheiro_200x150
Imagem de internet

Na categoria com maior participação, onde os genéricos representam 20% ou mais do faturamento, o reajuste autorizado pode chegar ao teto de 6,31%. Para remédios com faturamento de genéricos entre 15% e 20%, o reajuste autorizado é de até 4,51%. Já entre medicamentos com menor participação de genéricos (faturamento menor que 15%), a Cmed autorizou um reajuste até 2,7%.

No ano passado, o reajuste autorizado pelo governo para medicamentos vendidos em todo o país chegou a 5,85%.

 

Com informação da Agência Brasil

29 mar by Henrique Goes Tags:, , ,

TRANSPORTE PÚBLICO HOJE TEM TARIFA SOCIAL; PASSAGENS CUSTAM R$ 1,10

Neste feriado da Sexta-Feira Santa(29), as pessoas que circularem por Natal utilizando os transportes públicos terão uma surpresa positiva: a adoção da tarifa social em ônibus e transportes alternativos, o que reduz o valor da passagem de R$ 2,20 para R$ 1,10.

Imagem de internet

A Prefeitura de Natal, por meio da Secretaria de Mobilidade Urbana (Semob), determinou a aplicação da tarifa social no Sistema de Transporte Público de Passageiros. A aplicação da tarifa social é mais um estímulo que o Executivo municipal oferece para incentivar também o uso de ônibus e opcionais durante os feriados nacionais e locais.

 

Fonte: Prefeitura Municipal de Natal

26 mar by Henrique Goes Tags:, ,

O PREÇO DA LIGAÇÃO EM CELULAR FICOU MAIS BARATO EM 2012, AFIRMA ASSOCIAÇÃO

Falar ao celular ficou mais barato em 2012. Pelo menos, é o que apontam os dados da Associação Brasileira de Telecomunicações (Telebrasil). Segundo a entidade, o preço médio do minuto da telefonia celular no Brasil caiu 18% ano passado. De maneira prática, o preço médio do minuto da telefonia móvel, com impostos, caiu de R$ 0,21 no de fim 2011 para R$ 0,17 em dezembro de 2012.

Imagem de internet

Neste mesmo período, o índice que mede o tempo médio mensal de uso do celular por usuário subiu 9%, passando de 115 minutos para 125 minutos. A pesquisa feita pela Telebrasil demonstra que nos últimos cinco anos, houve queda de 56% no preço do minuto e o tempo médio de uso do celular aumentou 52%.

De acordo com a associação, fatores como a forte competição aliada aos ganhos de escala, tem sido  para impulsionar a queda dos preços. Para a entidade, a queda de preço no setor refletiu principalmente no aumento da base de clientes da telefonia móvel. No ano passado, a base de assinantes de telefone celular cresceu 8,07%. Atualmente, o país tem 263 milhões de acessos, informa a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). A cobertura de terceira geração (3G) já alcança 3.309 municípios.

“A telefonia móvel e especialmente a banda larga pelo celular já se revelaram como meio essencial para a inclusão digital e social da população. Nesse sentido, a Telebrasil entende que uma maior redução dos preços e num ritmo mais acelerado deve ser incentivada com medidas que reduzam a carga tributária sobre os serviços e que estimulem sua massificação”, disse a associação em nota.

 

Com informações da Agência Brasil

Fale no ZAP