Tag: Rio de Janeiro

2 nov by João Ricardo Correia Tags:, , , , ,

Professor de religião acredita que “Universal vai alçar voos mais altos”

Brasília - Indicado para o cargo de ministro da Pesca e Aquicultura, o senador Marcelo Crivella concede entrevista


Kiko Nogueira*

A vitória do bispo licenciado Marcelo Crivella na eleição municipal do Rio de Janeiro, neste domingo (30/10), marca uma nova etapa na trajetória dos pastores evangélicos na política brasileira. Eleito com 59,37% dos votos válidos, Crivella vai comandar a prefeitura da segunda maior cidade do Brasil e uma das principais vitrines do país, com orçamento de 31 bilhões de reais.

Com essa vitória, o projeto político dos pastores evangélicos finalmente conseguiu ir além do nicho que vem sendo cultivado na Câmara Federal – além dos Legislativos estaduais e municipais – e mostrar que também tem força em eleições majoritárias.

Sua ascensão também deve catapultar a influência do PRB, o partido dominado por membros da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD). A denominação religiosa é comandada por Edir Macedo, que é também tio de Crivella e controla a Rede Record, a segunda maior emissora de TV do país. “É uma igreja com um projeto de poder que apresenta condições de colocá-lo em prática. A própria estrutura da Universal parece a de um partido ou de uma empresa”, afirma Edin Abumanssur, professor de Sociologia da Religião da PUC-SP.

28 out by João Ricardo Correia Tags:, , , ,

Conselho Regional de Medicina pede intervenção federal na saúde do Rio

cristo_redentor

O Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro (Cremerj) pediu hoje (28) a intervenção do governo federal na saúde do estado. O déficit no setor chega a R$ 2,5 bilhões e ameaça fechar hospitais na capital e no interior e paralisar o atendimento.

Já faltam insumos, remédios e leitos nas principais unidades e os médicos da rede correm o risco de ficar sem salário.

“Estamos à beira de um caos no qual as pessoas podem morrer por mortes evitáveis”, afirmou o presidente do Cremerj, Pablo Vazquez, em entrevista. “Queremos o empenho de todos, os esforços, se não tem [dinheiro], que recorram a empréstimos, ao apoio internacional, não pode ocorrer o fechamento dessas unidades, saúde é direito básico”, reforçou.

11 jul by João Ricardo Correia Tags:, , , , , ,

Dilma ainda não decidiu se participa da abertura da Olimpíada

DILMA5
A presidenta afastada Dilma Roussef, foi convidada oficialmente nesta segunda-feira (11) pelo Comitê Olímpico Internacional para participar da abertura dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em agosto. De acordo com a assessoria de imprensa de Dilma, ela ainda não decidiu se comparecerá ou não à cerimônia.

Agendada para a noite do dia 5 de agosto no Estádio do Maracanã, a solenidade de abertura, que conta com desfile das delegações e espetáculos, é um dos eventos mais aguardados dos jogos. Na sexta-feira (9), ao conceder entrevista a um jornal português, a presidenta afirmou que avaliaria a possibilidade de ir. Ela informou que não irá caso “haja condições que a diminuam”.

25 jun by João Ricardo Correia Tags:, , , , ,

Polícia Civil indicia 14 pessoas pela queda de ciclovia no Rio

CICLOVIA_RIODEJANEIRO
A Polícia Civil do Rio indiciou 14 pessoas pela queda de trecho da Ciclovia Tim Maia, na Avenida Niemeyer, no dia 21 de abril. O acidente deixou duas pessoas mortas, Eduardo Marinho Albuquerque de 54 anos, e Ronaldo Severino da Silva, de 60 anos.

No inquérito conduzido pelo delegado José Alberto Lage, titular da 15ª Delegacia de Polícia, foram ouvidas 27 pessoas, entre testemunhas e envolvidas no caso. Segundo a polícia, nas provas do inquérito há informações de engenheiros responsáveis pela obra reconhecendo que o projeto deveria conter um estudo prévio do regime das marés e de que havia a necessidade de um plano de contingência que considerasse a instabilidade das marés.

“Verificou-se que não foi cogitada a incidência de ondas nos tabuleiros da ciclovia, não tendo havido uma reunião para o estudo dessa incidência. A solução construtiva revelou-se frágil na fixação dos tabuleiros”, ressaltou a polícia em nota à imprensa.

5 abr by João Ricardo Correia Tags:, , , , , ,

Traficante acusado de matar dois PMs no RJ morre em Mossoró

TRAFICANTEMOSSORO1_POLICIACIVILDORJ

Mossoró Hoje

O ex-chefe do tráfico de drogas do Conjunto de Favelas da Penha e Alemão, no subúrbio do Rio de Janeiro, Ramires Roberto da Silva, de 22 anos, morreu em um dos leitos do Hospital Regional Tarcísio Maia (HRTM) na madrugada desta segunda-feira (4). Ele cumpria pena na Penintenciária Federal de Mossoró, e estava internado há cerca de cinco dias onde apresentou problemas de saúde.

Ramires, foi preso dormindo no dia 27 de abril, por agentes da unidade da UPP Parque Proletário, do Conjunto de Favelas da Penha, no Subúrbio do Rio de Janeiro. Em entrevista na época, o delegado da 22ª DP (Penha) Reginaldo Guilherme da Silva, afirmou que Ramires se preparava para assumir a chefia do tráfico na Vila Cruzeiro, antes de ser preso.

Ainda de acordo com o delegado, Ramires confessou participação na morte do subcomandante da UPP Vila Cruzeiro, tenente Leidson Acácio. A polícia ainda acredita que ele tenha participado do ataque que matou a policial Alda Rafael Castilho, que era lotada na UPP Parque Proletário.

A soldado Alda Rafael Castilho, 26 anos, foi morta em 2 de fevereiro, baleada na barriga durante ataque contra a sede da UPP Parque Proletário, na Vila Cruzeiro. Na ocasião, outras três pessoas foram baleadas. A policial voltava para o contêiner da UPP, depois do almoço, quando foi alvejada.

Ele chegou ao Presídio Federal de Mossoró em 2015, através de autorização do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ). O pedido foi feito pelo governador Luiz Fernando Pezão. No solicitação, a Secretaria de Segurança relatou que o preso integrava a cúpula de uma facção criminosa do Rio e participou de ações como os tiros disparados durante a Corrida da Paz, realizada no Parque Proletário, no Conjunto de Favelas do Alemão, em maio de 2013, e ataques à sede do Afroreggae, em agosto.

Durante a internação no Hospital Regional Tarcísio Maia (HRTM), o detento era acompanhado 24h por agentes peninteciários federais. A intensa movimentação atiçou a curiosidade de pacientes e funcionários da unidade hospitalar. O corpo de Ramirez aguarda liberação para ser translado para o Rio de Janeiro.

Fonte: Mossoró Hoje
Com informações: G1/RJ e Blog O Câmera
Foto: Cedida: Polícia Civil/RJ

18 jan by João Ricardo Correia Tags:, , , , ,

OAB carioca tem anuidade mais cara do Brasil

REAL3

Com um aumento de 4,2%, a anuidade da Ordem dos Advogados do Brasil do Rio de Janeiro passou a ser a mais cara do país (R$ 994,45), seguida por Goiás e Santa Catarina, que cobram R$ 992 e R$ 976,19, respectivamente. A variação da seccional catarinense foi de 10%, enquanto a sucursal goiana da OAB não reajustou o valor.

Já as anuidades mais baratas pertencem a Ceará, Alagoas e Maranhão. Aliás, a seccional maranhense foi a única a reduzir o valor de sua taxa, que era de R$ 760 em 2015 e caiu para R$ 646 em 2016.

A título de comparação, os valores cobrados para a exercer a advocacia nos estados com anuidades mais baratas comprariam duas cestas básicas nas respectivas capitais (Fortaleza, Maceió e São Luís). Já os valores cobrados no Rio de Janeiro e em Goiás, comprariam mais de três cestas na capital fluminense e goiana.

Variações e inflação

Das 27 seccionais da OAB, quatro reajustaram suas anuidades acima da inflação de 2015, que fechou em 10,67%, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). São elas: SE (13%), PB (11%), MG (13%) e DF (23%).

Porém, 11 seccionais não reajustam suas anuidades desde 2014: TO (R$ 900); MS (R$ 893); PA (R$ 840); RS (R$ 782,39); ES (R$ 760,83); RN (R$ 670); AP (R$ 660); AM (R$ 650); BA (650); AL (R$ 600); e CE (R$ 600). Além delas, a OAB-MT não altera o valor (725) há seis anos.

 

Valores das anuidades nos estados brasileiros e Distrito Federal:

 

Estado 2016
(em R$)
2015
(em R$)
Diferença 2016-2015
(em R$)
Variação
(%)
Vlr da Cesta Básica
(em R$)
RJ 994,45 954  40,45 4,2 338,03
GO 992  992  0 0 301,21
SC 976,19 888,25  87,94 10 353,10
SP 958,90 879,70  79,20 9 354,19
TO 900 900  0 0 301,71
MS  893  893  0 0 308,32
PR  880 832,70  47,30 6 315,84
SE 850 750 100 13 245,70
PA  840 840  0 0 307,63
RS  782,39 782,39  0 0 348,56
ES 760,83 760,83  0 0 333,15
PE  760 695 65 9 286,39
PB 754 680 74 11 272,02
RO 751,90 693  58,90 8 276,58
MG 749 660 89 13 316,06
DF  740 600  140 23 329,66
MT 725 725  0 0 384,40
AC 720 720 0 0 238,46
PI  720 720 0 0 307,12
RN  670 670 0 0 268,71
AP 660 660 0 0 370,21
AM 650 650 0 0 320,70
BA 650 650 0 0 267,82
MA 646 760 114 -15 287,98
AL 600 600 0 0 285,63
CE 600 600 0 0 280,39
RR Valor ainda não divulgado 750

 

 

Fonte: Consultor Jurídico

10 jan by João Ricardo Correia Tags:, , , ,

RN sofre com ausência de policiais, mas vai enviar 361 ao Rio de Janeiro

HOMICIDIO3_REDEPINDORAMACOM

Não é de hoje que o Rio Grande do Norte sofre com a defasagem de policiais civis e militares. Governos entram, governos saem, prometem, falam, concedem entrevistas, mas nada, efetivamente, é feito para aumentar substancialmente o número de agentes de segurança pública. O máximo que acontece é a reposição dos que se aposentaram, morreram ou procuraram emprego melhor. Em média, segundo fontes deste Portal, nove mil homens estariam faltando apenas nessas duas instituições. O resultado disso está nas ruas, com a bandidagem agindo quase sem reação do Estado. Mesmo assim, o RN se prepara para enviar 316 servidores para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos, que acontecerão no Rio de Janeiro, no segundo semestre desse ano.

Se com o atual efetivo, a insegurança aterroriza os potiguares e os que visitam o Estado, o que poderá acontecer com a diminuição de policiais durante os Jogos? Será que o Governo vem com aquela velha história do “remanejamento” e do pagamento de diárias operacionais para encobrir os buracos deixados pela ausência dos servidores?

Eis a informação passada pela assessoria de comunicação da Secretaria de Estado da Segurança Pública e da Defesa Social (Sesed):

O Governo do Estado do Rio Grande do Norte, em parceria com Departamento da Força Nacional de Segurança Pública, do Ministério da Justiça, inicia nesta segunda-feira (11), às 9h, na Escola Estadual Reginaldo Teófilo, situada no CAIC Lagoa Nova, em Natal, a Instrução de Nivelamento de Conhecimento (INC), que capacita os agentes de segurança pública do estado a serem empregados nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016. Além do CAIC Lagoa Nova, os treinamento stambém ocorrerão na sede do 7º Batalhão de Engenharia e Combate do Exército Brasileiro (7º Becom).  
 
Um total de 361 profissionais da Secretaria de Estado da Segurança Pública e da Defesa Social (Sesed), sendo 319 policiais militares, 30 policiais civis, 10 bombeiros militares e dois peritos do ITEP participarão da INC, dividos em três turmas.
 
A previsão é de que os agentes de segurança do RN sejam cedidos de forma gradual, durante o período de 20 de junho a 30 de setembro de 2016, devendo ter seu número total integralizado até o dia 1º de agosto de 2016, a critério da Secretaria Nacional de Segurança Pública.
 
A grade curricular contemplará disciplinas como Direitos Humanos; Armamento, Munição e Tiro Policial; Busca e Varredura de Explosivos; Atendimento Pré-Hospitalar; Policiamento de Eventos; Terrorismo e Contraterrorismo.
 
Além da capacitação do efetivo com a doutrina da FNSP, o Estado do RN receberá, como contrapartida (legado), viaturas, armamento e outros equipamentos para incrementar as ações de segurança no estado.

 

 

Foto: Rede Pindorama

5 dez by João Ricardo Correia Tags:, , , , ,

Atriz Marília Pêra morre aos 72 anos no Rio de Janeiro

MARILIAPERA1

A atriz Marilia Pêra, de 72 anos, morreu às 6h da manhã de hoje (5), em sua residência, no Rio de Janeiro. A causa da morte não foi divulgada, mas há cerca de um ano ela estava afastada do trabalho por problemas de saúde.

Uma das mais completas atrizes do Brasil, Marília Pêra teve intensa atuação no teatro, televisão e cinema e também era cantora, bailarina, coreógrafa, produtora e diretora de espetáculos teatrais e musicais. A atriz nasceu no Rio em 22 de janeiro de 1943 e era filha de um casal de atores, Manuel Pêra e Dinorah Marzullo.

Aos quatro anos de idade, ela já pisava no palco, levada pelos pais, que faziam parte do elenco da companhia de Henriette Morineau. Na adolescência, passou a atuar como bailarina e intérprete em musicais como Minha Querida Lady, estrelado por Bibi Ferreira.

Nas primeiras décadas da carreira, entre seus inúmeros sucessos teatrais, destacam-se a peça Fala baixo senão eu grito (1969), de Leilah Assumpção, pela qual Marilia recebeu os prêmios Moliére e da Associação Paulista de Críticos de Arte, e os musicais O teu cabelo não nega (1963) e A pequena notável (1966), nos quais interpretou Carmen Miranda.
Ainda nos anos 60, chegou a ser presa durante uma apresentação do musical Roda Viva (1968), de Chico Buarque, considerado de contestação à ditadura militar.

Na televisão, atuou em novelas desde os tempos da extinta TV Tupi (Beto Rockfeller) e depois na TV Globo, em sucessos como Uma Rosa com Amor, Malu Mulher, Brega & Chique, Primo Basílio, Rainha da Sucata, Meu Bem Querer e a série Os Maias. Sua última aparição foi no seriado Pé na Cova, lançado em 2013.

No cinema, foi brilhante sua atuação no papel de uma prostituta no filme Pixote, a lei do mais fraco, de Hector Babenco (1980). Também foram marcantes em sua carreira os filmes Tieta do Agreste, de Cacá Diegues; Central do Brasil, de Walter Salles, e Bar Esperança, de Hugo Carvana.

A carreira de Marília Pêra soma números impressionantes. No teatro, como atriz e diretora, ela atuou em 55 peças. No cinema, foram 27 filmes e na televisão 26 participações em novelas e seriados. Marília coleciona um total de 37 prêmios de melhor atriz, entre 1969 e 2009.

Por meio do seu perfil no Twitter, a presidenta Dilma Rousseff expressou pesar pelo falecimento da atriz Marília Pêra. “Uma das artistas mais talentosas do País, que dedicou sua vida à arte”, disse a presidenta.

De acordo com a presidenta, a atriz sempre encantou os brasileiros com sua arte na televisão, no cinema e no teatro, quer fosse interpretando, cantando, dançando, dirigindo ou produzindo.

A presidenta Dilma também expressou seus sentimentos aos amigos, aos familiares e ao Brasil pela perda.

Fonte: Agência Brasil

14 out by João Ricardo Correia Tags:, , ,

Ator Luiz Carlos Miele é encontrado morto em sua casa

MIELE1

O ator, produtor cultural e diretor Luiz Carlos Miele, de 77 anos, morreu hoje (14) no Rio de Janeiro. Ele estava em sua casa, na Gávea, zona sul.

O corpo foi encontrado esta manhã pelos bombeiros, acionados para atender a uma ocorrência no local.

Natural de São Paulo, Luiz Carlos Miele foi locutor das rádios Nacional do Rio de Janeiro, Excelsior e Tupi, na década de 1950, antes de seguir carreira na televisão. (Fonte: Agência Brasil)

 

Informações do Wikipédia

 

Luís Carlos Miele

Luís Carlos d’Ugo Miele (São Paulo, 31 de maio de 1938 – Rio de Janeiro, 14 de outubro de 2015) foi um produtor, ator e diretor de shows brasileiro.

Infância

Filho da cantora e instrumentista Irma Miele, cujo nome artístico era Regina Macedo . Aos 12 anos de idade, começou a trabalhar como rádio-ator numa emissora de rádio em São Vicente (São Paulo), no programa Meu filho, meu orgulho de Mário Donato. Mais tarde, protagonizou outros programas infantis na Rádio Tupi, ao lado de Régis Cardoso, Érlon Chaves e Walter Avancini.

Carreira

Iniciou a carreira profissional como locutor das rádios Excelsior, Tupi e Nacional. Em 1959, mudou-se para a cidade do Rio de Janeiro, onde conheceu o compositor Ronaldo Bôscoli, com quem formou a dupla Miele & Bôscoli, responsável pela direção e produção de diversos espetáculos, além de programas musicais em emissoras de televisão.

Em 1976, após a morte do humorista Manuel de Nóbrega, passou a apresentar A Praça da Alegria na Rede Globo, saindo do ar em 1979. O programa contou com a participação de Ronald Golias.

Na televisão, atuou na direção e produção dos programas musicais Noite de Gala e Cara & Coroa (com Dori Caymmi e Sílvia Telles), na TV Rio. Dois no Balanço (jazz e bossa nova), Se meu apartamento falasse (com Cyl Farney e Odete Lara), Rio Rei, Os 7 Pecados (com Fernando Barbosa Lima) e Musical em Bossa 9, na TV Excelsior, O Fino da Bossa, Show em Simonal e Elis Especial, na TV Record, Alô Dolly, Dick & Betty 17 (com Dick Farney e Betty Faria), Fantástico (direção musical), Elis Especial, Praça da Alegria, Sandra & Miele, Cem anos de espetáculo, Viva Marília e Batalha dos Astros, além de festivais de música, na Rede Globo, Um homem – uma mulher (com Tuca), Cassio Muniz Show (criação dos comerciais) e Programa Flávio Cavalcanti (musicais essenciais), na TV Tupi, Miele & Cia e Ele & Ela (com Leila Richers), na TV Manchete, Coquetel e Cocktail, no SBT, e Escolinha do Barulho, na TV Record.

Como produtor e diretor de espetáculos de artistas como Roberto Carlos; Elis Regina; Wilson Simonal; Sergio Mendes; Lennie Dale; Sarah Vaughan; Leny Andrade, Pery Ribeiro e Bossa 3 (“Gemini V”); Taiguara e Claudette Soares (Primeiro Tempo 5×0); Milton Nascimento, Marcos Valle, Joyce e Wanda Sá (Sucata, Rio de Janeiro); Alcione (Canecão, Rio de Janeiro); Agnaldo Timóteo; Joanna; Angela Maria e Lucinha Lins (“Spot Light”); Os Cariocas; Família Caymmi; Trio Irakitan e Rosana Tapajós (Beco das Garrafas, Rio de Janeiro); Regina Duarte (Regina Mon Amour, no Canecão); Sandra Bréa e Pedrinho Mattar (“Caso Water-Closed”), e Dzi Croquettes (Monsieur Pujol, Rio de Janeiro), além dos projetos “Chega de Saudade”, “Vivendo a Rádio Nacional”, “Vivendo Vinícius” e “Festival Internacional de Mágica”. Como showman, participou dos espetáculos “Miele & Juarez Machado” (Sucata, Rio de Janeiro), “Concerto para Miele & Orquestra” (Hotel Maksoud Plaza, São Paulo), “Miele & Tuca” (Rui Barbossa e Sucata), “Miele no Palladium”, com Rosemary, “Elis & Miele” (Teatro Clara Nunes e Teatro Maria Della Costa).

Atuou, ainda, como diretor de projetos especiais no Metropolitan (RJ) e como mestre de cerimônias do Prêmio Molière. Gravou o compacto simples “Miele e Carolina”, com a participação de Carol Saboya, registrando as canções “A menina e a TV” (Rolf Zuckowski, vers. Antonio Adolfo e Jésus Rocha) e “Cirrose” (Daltony Nóbrega e Ana Maria). Em 1997, apresentou-se, com Roberto Menescal e Wanda Sá, no Mistura Fina (RJ), em espetáculo gravado ao vivo e lançado pelo selo Albatroz no CD “Uma mistura fina”. Dois anos dpois, assinou a direção do espetáculo “Vivendo Vinícius”, com Carlos Lyra, Toquinho, Miúcha e Baden Powell, apresentado no Metropolitan (RJ). Ainda em 1999, passou a exercer a função de diretor de projetos especiais na Casa de Cultura da Universidade Estácio de Sá (RJ), onde produziu vários espetáculos, como “Um brasileiro chamado Jobim”, com Roberto Menescal, Danilo Caymmi, Joyce, Cris Delanno e o conjunto Os Cariocas, “Minhas duas estrelas – Pery Ribeiro canta e conta – Dalva de Oliveira e Herivelto Martins”, “Essa Bahia chamada Caymmi”, com Nana Caymmi, Dori Caymmi e Danilo Caymmi”, “Jazz para as onze”, com o Quinteto Paulinho Trompete, e “Rio Jazz Orquestra”, no qual atuou como crooner, entre outros.

Publicou um livro intitulado Poeira de estrelas.

Em 2004 fez espetáculos no Tom Brasil em São Paulo, mostrando pela primeira vez em público o “Hino do Fome Zero” (Roberto Menescal e Abel Silva), cujo DVD foi dirigido por ele, também publicou o livro “Poeira de estrelas” (Ediouro). Ainda em 2004, foi responsável pela apresentação do espetáculo “Bossa Nova in Concert, realizado no Canecão no Rio de Janeiro, com a participação de Johnny Alf, João Donato, Carlos Lyra, Roberto Menescal, Wanda Sá, Leny Andrade, Pery Ribeiro, Durval Ferreira, Eliane Elias, Marcos Valle, Os Cariocas e Bossacucanova. O show contou com uma banda de apoio formada por Durval Ferreira (violão), Adriano Giffoni (contrabaixo), Marcio Bahia (bateria), Fernando Merlino (teclados), Ricardo Pontes (sax e flauta) e Jessé Sadoc (trompete), concepção e direção artística de Solange Kafuri, direção musical de Roberto Menescal, pesquisa e textos de Heloisa Tapajós, cenários de Ney Madeira e Lídia Kosovski, e projeções de Sílvio Braga. Também nesse ano, lançou o livro “Poeira de estrelas” (Ediouro). Apresentou-se, em 2005, no Bar do Tom, com o espetáculo “Bênção Bossa Nova”, ao lado de Roberto Menescal e Wanda Sá. Nesse mesmo ano, lançou o DVD “Miele, um showman brasileiro – Um show de música & muito humor” (CID), com festa no Bar do Tom (Rio de Janeiro). Miele torce pelo São Paulo Futebol Clube.

Em 2005, interpretou o advogado Wexler no seriado Mandrake da HBO Brasil, baseado na obra de Rubem Fonseca.

O melhor momento da carreira foi o musical “Elis”. O pior momento da carreira foi o Programa Cocktail (exibido no SBT de agosto 1991 a agosto 1992). Miele disse em uma entrevista em 2002: “Aquele programa não era muito a minha praia”. Ele prefere esquecer e considerava um programa de mau gosto.

No fim de 2011, atuou no filme As Aventuras de Agamenon, o Repórter interpretando o sogro de Agamenon Mendes Pedreira.

Em 2012 atuou na minissérie O Brado Retumbante no papel de “Nicodemo Cabral, O Senador”.

Em 2014, atuou na minissérie A Teia, no papel do ex-senador Walter Gama.

Em 2014, interpreta o magnata Jack Parker, na novela Geração Brasil.

Em agosto de 2014, participa da Dança dos Famosos no programa Domingão do Faustão.

Em 2014 interpreta o vizinho garanhão Gustavo Pennaforte, no episódio “Ela É a Dona de Tudo” do sitcom Trair e Coçar É Só Começar, do canal Multishow. Seu último trabalho foi na novela Geração Brasil, atuando como Jack Parker pai de Pamela Parker Marra

Morte

Segundo noticiado pela BandNews em primeira mão, Miele Faleceu no dia 14 de Outubro de 2015 vitima de um ataque cardíaco os bombeiros tentaram reanimar o ator, mas sem sucesso, nunca foi casado e nem tivera filhos, sua morte pegou todos de surpresa, colegas e amigos tambem

 

 

 

14 set by João Ricardo Correia Tags:, , , ,

Feira de São Cristóvão completa 70 anos de tradições nordestinas no RJ

FEIRADESAOCRISTOVAO1_TOMAZ-SILVA-AGBRASIL
Centro Municipal Luiz Gonzaga de Tradições Nordestinas, Feira de São Cristóvão, está localizado no Bairro de São Cristóvão, zona norte da capital fluminense (Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil)

O pedacinho do nordeste no Rio de Janeiro completa 70 anos este mês. No dia 18 de setembro, a Feira de São Cristóvão – Centro Luiz Gonzaga de Tradições Nordestinas, também chamada de Feira dos Nordestinos, celebra sete décadas mantendo viva a cultura dos imigrantes que chegavam ao bairro da zona norte da cidade desde a década de 1940.

Atualmente são cerca de 700 barracas e 100 restaurantes com produtos típicos do norte e nordeste, mas o começo foi bastante informal.  A professora de história da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), Sylvia Nemer resgatou os folhetos de cordéis e histórias orais sobre a Feira de São Cristóvão para seu doutorado e tem um livro publicado sobre o tema. De acordo com ela, a versão oficial conta que o cordelista Raimundo Santa Helena leu no dia 18 de setembro de 1945, no Campo de São Cristóvão, um cordel que tinha feito sobre o fim da Segunda Guerra Mundial.

“O início das atividades da Feira de São Cristóvão teria sido no ano de 1945 quando os pracinhas desembarcaram nas imediações do Campo de São Cristóvão e o próprio Santa Helena leu um cordel que tinha feito para comemorar o fim da guerra. E aí, em função dessa leitura, começou a surgir um movimento de pessoas interessadas em ouvir e vender literatura de cordel. Então a feira teria começado a partir dessa iniciativa,” disse.

Sylvia explica que há outra versão histórica, cantada nos cordéis de mestre Azulão, de que a feira foi surgindo ao longo da década de 40 a partir de um movimento de nordestinos que desembarcavam e ficavam acampados esperando um local para morar ou um trabalho.

“Como era o ponto final dos caminhões chamados de pau de arara e foi um momento de crescimento urbano muito acentuado, ali era um local de contratação de mão de obra para pedreiros, porteiros de edifício, que foram as ocupações tradicionais dos migrantes nordestinos nesse período. Teve algumas figuras, entre elas a do João Gordo, que teria iniciado esse comércio de produtos do nordeste para cá e daqui para o nordeste, porque o mesmo caminhão que vinha trazendo gêneros e pessoas, ele costumava voltar vazio e levava produtos daqui para o nordeste,” acrescentou.

Seja qual for a versão, a historiadora destaca que o local foi um espaço importante de sociabilidade dessa comunidade migrante, bem como de preservação dos costumes, que permanece até hoje. O músico e radialista José Sergival, que comanda há 5 anos o programa Puxa o Fole na Rádio Nacional do Rio, complementa que, após o início espontâneo, a Feira de São Cristóvão se tornou um ponto de referência das tradições nordestinas, frequentado não só pelos nascidos na região nordeste, bem como por turistas e apreciadores da culinária e da cultura.

“Agora vende artesanato, os artistas se apresentam, não só o forró pé de serra, mas quando as companhias culturais vêm para cá, esquetes de teatro, grupos folclóricos, quadrilhas juninas, bumba meu boi, frevo, a referência é a Feira de São Cristóvão, um local que eles querem ir se apresentar porque sabem que é um ambiente propício à cultura nordestina”.

Sergipano que mora no Rio há 10 anos, Sergival costuma ir à feira para matar a saudade da comida típica de sua região. “Lá dentro tem também as barracas de feira livre, então nós que somos nordestinos e os cariocas que gostam da culinária nordestina podem adquirir produtos in natura. A gente compra lá o feijão-de-corda, a carne de sol, o queijo coalho, a manteiga de garrafa, uma série de coisas para fazer as refeições da nossa região. Assim a gente não sente tanta falta da culinária da nossa terra”.

Palco de nomes imortais da música brasileira, a Feira de São Cristóvão já recebeu Luiz Gonzaga e Jackson do Pandeiro e ainda recebe ícones como Zé Ramalho, Elba Ramalho, Geraldo Azevedo, Quinteto Violado e Maria Bethânia, que foi homenageada no local em junho pelos 50 anos de carreira. De acordo com o presidente da Feira, Helismar Leite, são quatro mini-palcos “que trabalham com forró tradicional” e dois palcos para música popular, “só não trabalhamos com funk, mas tem até reggae, sertanejo universitário, Zeca Pagodinho, Arlindo Cruz, Martinho da Vila, somos a casa do carioca e temos que unir a cultura”.

Para o dia 18, ele adianta que a festa vai ser “arretada”. “O aniversário vai ser comemorado com bolo, muita festividade, nós vamos ter um show com a banda Forró Real, do Ceará. Estamos fazendo também um simpósio nordestino, onde estarão presentes várias personalidades de todos os estados, falando da cultura nordestina, muitos repentistas, escritores. Serão três dias de palestra discutindo a cultura nordestina aqui no Rio de Janeiro, 17, 18 e 19 de setembro”.

Em 2003 a feira foi transferida para o local fechado que ocupa hoje, dentro de um pavilhão de exposições que foi reformado, e é administrada pela prefeitura. Helismar afirma que a feira recebe a mesma visitação que o Cristo Redentor, com cerca de 300 mil pessoas por mês.

“O importante é mandar um recado pro Brasil todo para que visite a feira e veja como ela é. A feira tem de tudo, tem artesanato, uma culinária maravilhosa, castanha, doce, bolo, pimenta, mel, cachaça, tapioca, carne de sol, queijo coalho. O que temos no nordeste nós temos sempre um pouco aqui na feira,” observou.

 

Fonte: Agência Brasil

26 abr by João Ricardo Correia Tags:, , , , ,

Casa do Choro nasce com proposta de difundir o gênero musical no mundo

CASADOCHORO_TOMAZSILVAAGENCIABRASIL
Casa do Choro, primeiro centro de referência ao gênero no RJ, é inaugurada em prédio restaurado, no Largo da Carioca

 

Mais de um século e meio após o seu surgimento, o choro, um dos gêneros de música popular mais antigos do mundo, conta com um espaço cultural e centro de referência integralmente dedicado a ele, na cidade que o viu nascer. A Casa do Choro – instalada em um prédio de 1902, na Rua da Carioca, centro histórico do Rio de Janeiro – foi inaugurada no final da manhã deste sábado (25), em clima de festa, embalada com a sonoridade do gênero e com a presença de grandes nomes da música instrumental brasileira.

Administrado pelo Instituto Casa do Choro, criado em 1999 e presidido pela compositora e cavaquinista Luciana Rabello, o espaço nasce com uma proposta ambiciosa. Além de dar continuidade ao trabalho de educação musical, formação de plateias e novos músicos, e de preservação de acervos – executada desde 2000 pela Escola Portátil de Música, mantida pelo instituto –, a Casa do Choro pretende, segundo Luciana, contribuir de forma decisiva para a internacionalização do gênero.

“Há grupos de choro hoje espalhados pelo mundo, e nós queremos a participação deles aqui na casa e em nosso festival”, disse Luciana, referindo-se ao evento que ocorre neste fim de semana, na sequência da inauguração da casa. Em sua sexta edição, o Festival Nacional do Choro oferece, hoje (25) e amanhã (26), em palco armado na vizinha Praça Tiradentes, um total de 20 shows de chorões cariocas e de outros estados brasileiros.

Um dos integrantes do Conselho de Honra da Casa do Choro, o músico Dori Caymmi aposta no sucesso internacional do gênero. “Você vai a países da Europa e aos Estados Unidos e vê vários grupos de choro, e o choro se espalhar lá fora é mais uma vitória do Brasil”, destacou. Dori disse que ficou emocionado com o convite para fazer parte do conselho, já que não se considera um chorão. “Eu até compus alguns, mas não tenho essa capacidade. Sou um músico brasileiro, que acredita no Brasil, e gosto muito mais do Brasil do que as pessoas estão gostando hoje em dia, apesar de estar morando lá fora [em Los Angeles, nos EUA]”.

Dori Caymmi também acentuou a importância da iniciativa na valorização da cultura musical genuinamente brasileira. “Temos muitos gêneros, muita riqueza, e sou radical em relação a isso, sou filho de um dos maiores compositores que essa terra deu”, frisou, referindo-se ao pai, Dorival Caymmi (1914-2008). “Foi uma vitória a Luciana e o Maurício Carrilho [vice-presidente do Instituto Casa do Choro] conseguirem esse espaço na atual conjuntura, em que as pessoas chamam o funk de manifestação cultural carioca”, ressaltou.

O Conselho de Honra é presidido pelo poeta e produtor musical Hermínio Bello de Carvalho, parceiro de Pixinguinha e letrista de um clássico do choro, Doce de Coco, de Jacob do Bandolim. Hermínio, que no mês passado festejou seus 80 anos, deu valiosa contribuição ao acervo da Casa do Choro, que a partir de agora ficará exposto à visitação pública e à consulta dos pesquisadores.

Instrumentos musicais, partituras, manuscritos, capas de discos, quadros de chorões do passado, retratados por pintores e chargistas, e fitas de rolo que pertenciam a Jacob do Bandolim constituem uma pequena amostra do acervo em exibição em uma sala do 1º andar da casa. Por meio do site da Casa do Choro, o público poderá ter acesso a muito mais. São cerca de 15 mil partituras digitalizadas e 2 mil discos de 78 rotações e long plays, além de vasto material bibliográfico e iconográfico.

De acordo com Maurício Carrilho, o teatro de 120 lugares, no térreo, vai ter programação contínua, mas o instituto – que recebeu recursos do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e da Petrobras para a restauração do prédio, que estava em ruínas, e para a implantação do espaço – ainda busca apoiadores para a manutenção da casa. “No início, a gente vai ter que levar na marra, com os recursos que conseguir de ingressos e do pagamento das aulas” revelou.

Sobrinho de lendário nome da música instrumental brasileira, o flautista Altamiro Carrilho (1924-2012), o compositor, arranjador e violonista Maurício fala com orgulho da nova geração de chorões. “Há 20 anos, a situação do choro era dramática, não tinha nenhum jovem tocando e nenhum espaço dedicado a ele. Hoje, você vê em bares e reuniões alunos e ex-alunos da Escola Portátil de Música tocando.”

Orgulho também compartilhado por Herminio Bello de Carvalho ao se referir à criação da Casa do Choro. “Quando eu vejo a vitória dessa garotada, fico muito feliz, porque é um momento de valorização da melhor música brasileira. Muitos dos que eu conheci há 40 anos hoje são professores dessa escola e estão formando novos professores”, elogiou.

 

Fonte: Agência Brasil / Foto: Tomaz Silva (Agência Brasil)

16 mar by João Ricardo Correia Tags:, , , ,

Nova Iorque tem 60 mil moradores de rua, sendo 25 mil crianças

NOVAIORQUEMENDIGO

O número de pessoas sem-teto em Nova York alcançou um novo recorde. Já são mais de 60.000 indivíduos sem ter lugar para morar, segundo uma associação especializada no tema e informes publicados na imprensa local.

Nova York tem 60.352 “homeless” (sem-teto), dos quais mais de 25 mil são crianças, segundo o site na internet da Coalizão para os Sem-teto. Os dados são confirmados pela prefeitura da cidade.

O vice-diretor de defensoria da Coalizão para os Sem-teto, Patrick Markee, destacou que a crise “histórica” herdada pelo prefeito Bill de Blasio piorou por três razões desde que o democrata assumiu o cargo, em 1º de janeiro de 2014:

1) a grave crise de moradia acessível na cidade;
2) o impacto duradouro das desastrosas políticas para os sem-teto do ex-prefeito (Michael) Bloomberg;
3) o fracasso do estado e da cidade para agir suficientemente rápido para reverter

Em discurso sobre o estado da cidade de Nova York, o prefeito De Blasio colocou a questão do acesso à moradia com um aluguel razoável no centro de seu programa para 2015, fazendo alusão aos “homeless”.

Nova York é a cidade com maior índice de desigualdade de renda dos EUA.
Rio e São Paulo

A título de comparação, em São Paulo, segundo o censo mais recente feito pela prefeitura, em 2011, eram cerca de 14,5 mil pessoas em situação de rua.

No Rio de Janeiro, censo realizado em 2013 mostrou que havia 5.580 pessoas na mesma situação.

 

Fonte: www.pragmatismopolitico.com.br

 

1 mar by João Ricardo Correia Tags:, , , ,

Potiguar estudante do IFRN conquista vice-campeonato brasileiro de Luta Olímpica

MARCUSVINICIUSCAVALCANTELUTA_FACEDEFABIONEVES
Foto obtida na página de Fabio Neves, no Facebook

O potiguar Marcus Vinícius Cavalcante, aluno de Eletrônica do IFRN, sagrou-se vice campeão brasileiro sub-21 de Luta Olímpica no estilo Greco-Romano, em competição que aconteceu no Rio de Janeiro, neste sábado, 28 de fevereiro. A disputa foi vencida pelo campeão panamericano da categoria, Calebe Corrêa, de São Paulo. Na edição anterior, Marcus havia ficado em terceiro lugar.

MARCUSVINICIUSCAVALCANTE_PORTALDOIFRN
Marcus Vinícius, sem patrocínio, pensou em desistir, mas terminou em segundo (Foto: Portal do IFRN)

Segundo informações do Portal do IFRN, nas últimas semanas, o maior desafio foi conciliar as rotinas de estudos e treinos: “Passava de três a quatro horas por dia na academia, quatro vezes por semana”, disse o atleta.

Ainda segundo o IFRN, a falta de um patrocinador para cobrir custos específicos da viagem chegaram a preocupar o Marcus. “Eu não estava bem, pensando, inclusive, em desistir. Mas alguns professores me ajudaram e hoje tenho condições de representar bem o Estado e, sobretudo, o IFRN na competição”, dizia, antes da viagem.

O ESPORTE

A luta greco-romana moderna foi desenvolvida na França no início do século XIX, como parte do treinamento dos soldados de Napoleón Bonaparte. Hoje, a luta é mais um esporte que uma arte marcial, que segue um estilo rigidamente centrado na parte superior do corpo, em que o competidor pode usar somente os membros superior para atacar o oponente acima da cintura. O objetivo é imobilizar os dois ombros de um adversário até a rendição.

A modalidade no país fica sob responsabilidade da Confederação Brasileira de Lutas Associadas (CBLA) e estará presente nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em 2016.

 

 

Com informações do Portal do IFRN e página de Fabio Neves, no Facebook

4 fev by João Ricardo Correia Tags:, , , ,

Zeca Pagodinho: mais um ano de vida e musicalidade

ZECAPAGODINHO

Zeca Pagodinho, nome artístico de Jessé Gomes da Silva Filho, (Rio de Janeiro, 4 de fevereiro de 1959) é um cantor e compositor brasileiro. Gravou mais de 20 discos e é considerado um grande nome do gênero samba e pagode. O artista, que começou sua carreira nas rodas de samba dos bairros de Irajá e Del Castilho, subúrbio do Rio de Janeiro, tornou-se tão imensamente popular que seus shows chegam a ser contratados por cachês generosos, sendo realizados nas mais badaladas casas de espetáculo do país. Sempre fiel a suas características de irreverência e jocosidade, Zeca recebe também reconhecimento da crítica e de artistas e compositores consagrados.

Filho de Irinéia e Jessé, Zeca nasceu em Irajá onde desde pequeno passou a frequentar rodas de samba influenciado por sua família. Morou em vários bairros do Rio mas sempre demonstrou enorme apreço por Xerém (distrito de Duque de Caxias), na qual possui um sítio e uma escola de música para crianças carentes da região. Sua primeira gravação foi em 1983, com o samba “Camarão que dorme a onda leva”, de sua autoria e de Arlindo Cruz, a partir do convite de sua madrinha Beth Carvalho. Em 2003, no auge de sua carreira, foi o primeiro artista de Samba a gravar um especial de TV, CD e DVD pela MTV Brasil (tradicional reduto do pop rock).

 

 

O Acústico MTV, gravado no Rio, foi um de seus discos mais vendidos, rendendo inclusive uma segunda edição em 2006 (a primeira da história da MTV Brasil). O segundo acústico, batizado de Acústico MTV Zeca Pagodinho 2 – Gafieira, homenageou o samba de gafieira. Em 2007, o cantor criou o selo ZecaPagodiscos, em parceria com o produtor musical Max Pierre, ex-diretor artístico da Universal Music no Brasil. O primeiro trabalho da parceria (lançado em conjunto com o selo Música Fabril, novo selo de Max, com distribuição da gravadora EMI) foi o CD e DVD Cidade do Samba, gravado na Cidade do Samba, reunindo vários artistas brasileiros de vários estilos musicais, como Martinho da Vila, Jair Rodrigues, Cláudia Leitte, Ivete Sangalo Nando Reis, Erasmo Carlos, Gilberto Gil, entre outros. Atualmente, Zeca reside na Barra da Tijuca com a mulher, Mônica Silva, e seus quatro filhos: Eduardo, Louis, Elisa e Maria Eduarda.

 

 

DISCOGRAFIA

Camarão Que Dorme a Onda Leva, participação em disco de Beth Carvalho -(1983)(RCA)
Zeca Pagodinho – (1986) (RGE)
Patota de Cosme – (1987) (RGE)
Jeito Moleque – (1988) (RGE)
Boêmio Feliz – (1989) (BMG)
Mania da Gente – (1990) (BMG)
Pixote – (1991) (BMG)
Um dos Poetas do Samba – (1992) (BMG)
Alô, Mundo! – (1993) (BMG)
Samba pras Moças – (1995) (PolyGram)
Deixa Clarear – (1996) (PolyGram)
Hoje é Dia de Festa – (1997) (PolyGram)
Zeca Pagodinho – (1998) (PolyGram)
Ao Vivo – (1999) (Universal Music)
Água da Minha Sede – (2000) (Universal Music)
Deixa a Vida Me Levar – (2002) (Universal Music)
Acústico MTV – Zeca Pagodinho – (2003) (Universal Music)
À Vera – (2005) (Universal Music)
Acústico MTV – Zeca Pagodinho (vol. 2 – Gafieira) (2007)
Zeca Pagodinho – Raridades – (2007) (Som Livre)
Uma Prova de Amor – (2008) (Universal Music)
Especial MTV – Uma Prova de Amor Ao Vivo – (2009) (Universal Music)
Vida da Minha Vida – (2010) (Universal Music)
Ao Vivo com os Amigos – (2011) (Universal Music)
O Quintal do Pagodinho – (2012) (Universal Music)
Multishow Ao Vivo: 30 Anos – Vida Que Segue2 – (2013) (Universal Music)

PRÊMIOS

2003 – Troféu Imprensa de melhor cantor
2004 – Troféu Imprensa de melhor cantor
2005 – Troféu Imprensa de melhor cantor
2009: VMB – Video Music Brasil 2009 – Melhor Samba
2009 – Prêmio da Música Brasileira (Melhor Cantor; Melhor Disco; Melhor Canção)

 

 

Fonte: Wikipedia

 

20 mar by João Ricardo Correia Tags:, , , ,

Juíza manda libertar policiais que arrastaram mulher em viatura no Rio

Os três policiais militares (PMs) que estavam na viatura que socorreu e arrastou o corpo da auxiliar de serviços gerais Cláudia Silva Ferreira, de 38 anos, no último domingo (16,) vão ganhar liberdade provisória. A decisão foi anunciada na tarde desta quinta-feira (20) pela juíza Ana Paula Pena Barros, da Auditoria da Justiça Militar.

No despacho, a juíza diz que atendeu ao pedido do Ministério Público do estado, que se mostrou favorável à concessão da liberdade aos três indiciados pelo crime. “Na leitura dos termos da prisão em flagrante, não é possível verificar de onde partiram os tiros que atingiram Claudia Silva Ferreira, constando que os indiciados não estavam no local e foram acionados via rádio, pois a vítima estava baleada no chão”, diz Ana Paula na decisão.

“Assim sendo, por mais fortes e chocantes, e até mesmo revoltantes que sejam as imagens de Claudia Silva Ferreira, já baleada, sendo arrastada no asfalto, presa ao reboque da viatura, não é possível afirmar que os PMs conheciam tal fato e o ignoraram. Ao contrário, o que mostram as imagens é que a viatura parou e dois policiais desceram e a colocaram de volta na viatura”, acrescenta a juíza.

Os subtenentes Adir Serrano Machado e Rodney Miguel Archanjo e o sargento Alex Sandro da Silva Alves estão presos no Complexo Penitenciário de Gericinó desde segunda-feira (17). Ontem (19) eles prestaram depoimento na Polícia Civil. Os três estavam na viatura que transportou Claudia, atingida no peito por um tiro de fuzil durante operação policial no morro da Congonha, em Madureira. No trajeto para o Hospital Carlos Chagas, no bairro vizinho de Marechal Hermes, a tampa da caçapa do camburão, onde a mulher foi colocada, se abriu e ela foi arrastada por cerca de 250 metros, presa apenas pela roupa.

Nesta quinta-feira, três policiais militares que participavam diretamente da operação no Morro da Congonha, foram ouvidos pela Polícia Civil. Além de Claudia, a troca de tiros entre os policiais e traficantes, resultou na morte de um adolescente de 16 anos.

 

(Fonte: Agência Brasil)

 

Fale no ZAP