Tag: violência

25 set by João Ricardo Correia Tags:, , ,

Polícia procura acusado de tentar matar ex-companheira com golpe de estilete

Polícia tem áudios de Jaspe fazendo ameaças

A Polícia Civil de Nísia Floresta, na Grande Natal, está solicitando a ajuda da população para prender Jaspe Albino da Silva (FOTO), acusado de tentar matar sua ex-companheira, na Praia de Tabatinga, há aproximadamente uma semana. Ele continua fazendo ameaças à vítima, dizendo que irá matá-la quando a encontrar.

Segundo o delegado de Nísia Floresta, Marcelo Aranha, Jaspe está, provavelmente, escondido nas praias de Barreta ou Tabatinga. A Justiça já decretou a prisão temporária.

Qualquer informação deverá ser repassada com urgência ao Disque-Denúncia da Delegacia de Nísia Floresta, através do 98118-7675 (fone/WhatsApp) ou ao Disque-Denúncia da Polícia Civil, pelo 181. O sigilo será mantido.

Vítima foi atingida por um golpe de estilete

 

Fonte: Polícia Civil de Nísia Floresta

22 ago by João Ricardo Correia Tags:, , , ,

Denúncias de feminicídio e tentativas de assassinato chegam a 10 mil

Quase dez mil mulheres foram vítimas de feminicídio ou tentativas de homicídio por motivos de gênero nos últimos 9 anos, segundo levantamento da Central de Atendimento à Mulher, o Ligue 180. Desde 2009, a central registrou denúncias de morte de pelo menos 3,1 mil mulheres e outras 6,4 mil foram alvo de tentativa de assassinato.

Na última década, o pico de registros ocorreu em 2015, ano em que o feminicídio foi incluído no Código Penal brasileiro como qualificador de homicídio e no rol de crimes hediondos. Naquele ano, a central recebeu 956 registros de assassinatos de mulheres, contra 69 mortes apontadas no ano anterior.

Por Débora Brito – Repórter da Agência Brasil / Brasília

Leia matéria completa:
http://agenciabrasil.ebc.com.br/direitos-humanos/noticia/2018-08/denuncias-de-feminicidio-e-tentativas-de-assassinato-chegam-10-mil

 

17 ago by João Ricardo Correia Tags:, , , ,

Número de assassinatos na gestão Robinson Faria já ultrapassa em mais de 1600 o total do governo Rosalba Ciarlini

O Observatório da Violência no Rio Grande do Norte (OBVIO) divulgou, em seu perfil no Instagram, que em três anos e sete meses de gestão do governador Robinson Faria – candidato à reeleição – foram registrados 7.378 assassinatos no Estado, o que representa 1.646 a mais que os quatro anos de sua antecessora Rosalba Ciarlini, de quem ele foi vice.

16 ago by João Ricardo Correia Tags:, , ,

Assaltantes atacam ônibus e matam cabo PM com tiro na cabeça

PM Ildônio é mais uma vítima da violência desenfreada que impera no RN

Cerca de 24 horas depois do adolescente Benes Júnior, 16, anos, ser assassinado durante tiroteio entre policiais militares e assaltantes, na zona Norte de Natal, os bandidos voltam a mostrar que não temem o aparelho da Segurança Pública do Rio Grande do Norte. A mais nota vítima é o cabo PM Ildônio José, 43 anos, assassinado com um tiro na cabeça, na tarde desta quinta-feira, em Caraúbas, no  Oeste potiguar.

Depois da morte de Benes, a secretária de Estado da Segurança Pública e da Defesa Social, Sheila Freitas, divulgou uma nota dizendo que o estado vive uma “guerra”,

Ildônio estava em um ônibus que transporta estudantes, com destino a Mossoró, na RN 233, no final da tarde, quando o veículo foi abordado por quatro assaltantes, que roubaram pertences dos alunos e reconheceram o policial, que foi retirado para a estrada e assassinado com um tiro na cabeça., provavelmente de calibre 12.

Em grupos do WhatsApp, áudios relatam o que houve:

 

 

15 ago by João Ricardo Correia Tags:, , , ,

OBVIO publica relatório mostrando violência que atinge mulheres

É inegável o papel da Lei Maria da Penha como avanço no enfrentamento aos crimes cometidos contra as mulheres, destaque ainda para sua repercussão social, seu fomento à conscientização e ao engajamento de instituições governamentais e não governamentais em prol da redução da criminalidade.

Os avanços no combate à violência contra a mulher, em todos os níveis, precisa ser prioridade em metas de segurança pública a serem alcançadas em toda gestão que trate com a seriedade que é devida a essa problemática.

O discurso machista e misógino ainda é uma ferida aberta na sociedade brasileira, sua prática é feita inclusive por pessoas com certa influência midiática, candidatos a cargos de gestão que usam seu poder e influência política para constranger mulheres, assediá-las e agredi-las em seus pseudodiscursos de igualdade. Essas pessoas ajudam a naturalizar e difundir a violência contra a mulher e outros grupos minoritários.

13 ago by João Ricardo Correia Tags:, , , , ,

RN inseguro: morre empresário atingido por tiro em tentativa de assalto

O empresário Dinobergh Almeida, 36 anos, morreu na tarde desta segunda-feira, 13, em Caicó,   Ele foi atingido por um tiro na madrugada, quando ocorreu uma tentativa de assalto à sua mãe, no momento em que ela deixava sua casa, no bairro Maynard, para ir fazer atividade física.

A vítima passou por uma cirurgia e ficou internada na UTI do Hospital Regional do Seridó, mas não resistiu.

Dinobergh integrava o projeto Risoterapia, se vestindo de palhaço e desenvolvendo ação voluntária e solidária nos hospitais de Caicó.

Com informações do Blog do Heitor Gregório

9 ago by João Ricardo Correia Tags:, , , ,

RN lidera ranking de mortes violentas no Brasil

O Rio Grande do Norte registrou, em 2017, a maior taxa de mortes violentas por cada grupo de 100 mil habitantes: 68. O segundo lugar ficou com o Acre (63,9) e em terceiro o Ceará, com 59,1. Os dados fazem parte de uma divulgação feita nesta manhã, pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

Em 2017, o Brasil registrou 63.880 assassinatos, o maior número de todos os tempos em território nacional. Segundo o levantamento, sete pessoas foram assassinadas por hora, ano passado.

7 ago by João Ricardo Correia Tags:, , ,

OBVIO: fonte verdadeira acerca da violência no Rio Grande do Norte

O OBVIO tem sido um farol no meio à escuridão da falta de transparência no estado do Rio Grande do Norte, trazendo luz e norte para aqueles que buscam informações fidedignas sobre a violência homicida, e lançando críticas construtivas para um dos problemas mais assoladores da atualidade, a falta de segurança pública.

A jornada iniciada em 2012 hoje se transformou num trabalho colaborativo que reúne mais de 50 profissionais, de diferentes áreas do conhecimento humano. As análises criminais que produzimos são fruto de uma alimentação diária de um banco de dados que não visa apenas as estatísticas, pois estamos de prontidão em busca de fornecer informações para quem quer que se disponha a produzir soluções para a sociedade.

Em nossa 22ª edição da revista OBVIUM, temos a satisfação e a certeza de estarmos contribuindo para o bem social, sem nos enclausurarmos às paredes institucionais, pelo contrário, rompendo os muros da universidade e levando nosso trabalho para além do ambiente acadêmico, não que este não importe, mas porque sabemos que é lá fora, na vida real, onde o conhecimento que produzimos fará mais efeito.

Como exemplo de nossa prática realizamos um evento I Fórum Caraubense sobre Educação, Sociedade e Violência (pág. 5) explanado no texto jornalístico Com 20 mil habitantes, Caraúbas já registrou 14 assassinatos no ano (pág. 7). Além disso, nesta edição apresentamos uma versão de crimeanálises em gráficos em Série histórica: sete meses de violência homicida em 2018 (a partir da pág. 13) onde se pode obter informações sobre a evolução da mortalidade homicida no Rio Grande do Norte.

Acesse nossa revista em http://bit.ly/2LUuxQy ou solicite sua cópia em pdf no e-mail obviorn@gmail.com

Fonte: OBVIO

3 ago by João Ricardo Correia Tags:, , ,

Avanços e desafios da Lei Maria da Penha serão discutidos na Assembleia Legislativa

A Assembleia Legislativa promove audiência pública na próxima terça-feira (7) para discutir os avanços e desafios da Lei Maria da Penha, criada em 2006 com o propósito de proteger a mulher da violência doméstica e familiar. O debate acontece às 14h, no auditório da Casa Legislativa, e integra a programação do Agosto Lilás, mês de conscientização e proteção à mulher.

No Rio Grande do Norte, a violência contra a mulher apresenta dados que merecem atenção. Nos últimos três anos, cresceu o número de mulheres assassinadas, embora se tenha registrado uma queda na quantidade de feminicídios – que são os casos caracterizados pela desigualdade de gênero.

De 2015 a 2017, o percentual de mulheres mortas subiu 34,2%. Nos casos de feminicídio, a redução foi de 20,6%. Contudo, a quantidade de denúncias de ameaças, agressões e estupros saltou de uma média diária de 3,3 em 2015 para uma média de 7,4 casos relatados por dia em 2017. Os números são da Secretaria de Estado da Segurança Pública e da Defesa Social (Sesed).

2 ago by João Ricardo Correia Tags:, , ,

Vermelho do sangue em via pública vira rotina no RN

O Rio Grande do Norte é mais um pedaço do Brasil dominado pela criminalidade. Além das denúncias de escândalos com o dinheiro público, promovidos, segundo acusações das autoridades policiais e judiciais, por políticos e empresários, na sua maioria, outros tipos de bandidos, aqueles que saem armados matando, sequestrando e roubando continuam agindo livremente.

Querer minimizar ou justificar a situação dizendo que é um “problema nacional” é mais um discurso fácil de quem é responsável pela instalação do caos. Quem governa aqui pede voto aqui, promete aqui. E mente aqui!

O quadro torna-se ainda mais grave, nos últimos três anos, em consequência da desastrosa fala do então candidato a governador Robinson Faria, que disse ter estudado vinte anos para ocupar o cargo e seria o “governador da Segurança”. Piada pronta, mas sem graça.

Sangue espalhado em via pública virou rotina. Agências bancárias, Correios e estabelecimentos comerciais são atacados constantemente. Residências são invadidas, pessoas de bem são espancadas, ameaçadas, mortas. As reações do aparelho policial são poucas diante do poderia de fogo e da ousadia dos marginais.

Prioridade em segurança pública no Rio Grande do Norte só aparece em época de campanha eleitoral. O que existe é muito blablablá, conversas moles, projetos que morrem antes do nascimento, reuniões que não têm fim, fotografias para redes sociais e nada mais.

O Rio Grande do Norte nunca teve um Governo sério o suficiente para enfrentar os traficantes de drogas, os matadores de aluguel, esses canalhas que se organizaram em facções e patrocinam ações que aterrorizam o povo potiguar. As ações paliativas não enganam ninguém honesto e de bom senso.

Marketing, munganga e consultorias não vencem o crime. Os governantes e os seus aliados devem respeitar os policiais, incentivando-os com melhores salários, dando-lhes condições de trabalho, apoiando-os quando estiverem no confronto com a bandidagem. Nossos “representantes” na Assembleia Legislativa e no Congresso Nacional precisam ter pulso firme contra os criminosos ou então passam a cúmplices.

O Rio Grande do Norte, como gostam de dizer os especialistas em segurança, está dominado por uma mancha vermelha provocada pelo sangue, pelo medo, pela certeza do descaso governamental e pela expressiva falta de perspectivas de melhoras.

João Ricardo Correia

2 ago by João Ricardo Correia Tags:, , , ,

Juizado da Violência Doméstica de Mossoró adota estratégias para conscientizar agressores

O Juizado da Violência Doméstica de Mossoró tem usado estratégias variadas para combater a violência contra a mulher. Encarregado desta unidade há 8 anos, o magistrado Renato Vasconcelos explica que “o caminho para reduzir esse tipo de violência deve passar pela educação, voltada à cidadania e respeito ao outro”.

Na unidade, além das medidas tradicionais penais, uma das alternativas utilizadas consiste nos programas de reeducação para agressores, que participam de grupos reflexivos e discussões com auxílio de equipe multidisciplinar especializada.

A participação dos agressores nesses grupos é aplicada nos casos de delitos mais brandos (tais como ameaça ou lesão corporal leve) como condição a ser cumprida quando o Ministério Público pede a suspensão condicional do processo.

Nesses casos, os acusados devem participar de 10 sessões semanais, formando turmas de 12 pessoas aproximadamente, em que discutem, auxiliados por assistentes sociais e psicólogos, os motivos que levaram a cometer crimes, bem como o contexto implicadores da opressão e violência contra as mulheres.

Na maioria das vezes, esta medida é aplicada conjuntamente com a prestação de serviços à comunidade, acrescida do monitoramento do agressor por 2 anos, mediante assinatura mensal de termo de comprometimento no fórum judicial.

O magistrado esclareceu que ações dessa natureza “seguramente diminuem bastante os níveis de reincidência” e destacou que “dentre os participantes dos grupos reflexivos na comarca de Mossoró, não consta notícia de que tenham voltado a cometer crimes dessa natureza”.

Prevenção

Há ainda outras atividades que contribuem na prevenção de crimes contra as mulheres. Exemplo disso são as palestras realizadas regularmente pelo juiz juntamente com a equipe multidisciplinar em diversas instituições públicas como hospitais, universidades e escolas para conscientizar a população a respeito do tema.

Além disso, o juizado realiza ações de divulgação nas mídias sociais ou por meio da distribuição de panfletos, aproveitando eventos populares como o São João para propagar a cultura de respeito aos direitos das mulheres.

Fonte: Portal do TJRN

17 out by João Ricardo Correia Tags:, , , , , , , ,

Equipes da Polícia Civil e do Itep estão na Cadeia Pública de Natal

Movimentação intensa de policiais civis e equipe do Instituto Técnico-Científico de Polícia (Itep), na Cadeia Pública de Natal, zona Norte da cidade. O repórter-fotográfico Ney Douglas registrou.

26 set by João Ricardo Correia Tags:, , , ,

Mulheres fazem videoarte para lutar contra o “fim do mundo”

 

Atualmente, 15 mulheres são mortas por dia no Brasil apenas pelo fato de serem mulheres. Isso equivale a uma morte a cada duas horas. E pelo menos 500 mulheres são vítimas de agressão física a cada hora no País. Isso representa 4,4 milhões de brasileiras (9% do total das maiores de 16 anos). Além disso, 22% das mulheres afirma ter recebido insultos e xingamentos ou terem sido alvo de humilhações (12 milhões) e 10% (5 milhões) ter sofrido ameaça de violência física. Sem falar em outras violências que as mulheres sofrem tanto e há tanto tempo.

Diante dessa realidade – que mais parece um fim do mundo – um grupo de artistas mulheres selecionado por meio de convocatória vai se isolar durante três dias (13 a 15 de outubro) numa casa na Lagoa do Bonfim para produzir uma videoarte, um grito contra essa violência – e o medo dela – que só elas passam todos os dias.

14 ago by João Ricardo Correia Tags:, , , , , , , ,

OAB cobra providências para combate à criminalidade no RN

Preocupada com a crescente violência, ausência de políticas eficazes para o combate a criminalidade e falta de estrutura e profissionais na área da Segurança Pública, a Ordem dos Advogados do Brasil no Rio Grande do Norte emitiu Nota, nesta segunda feira (14), cobrando do Governo efetividade na resolução dos graves problemas enfrentados.

Leia na íntegra:

NOTA

A Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional do Rio Grande do Norte, diante do quadro de total descontrole da segurança pública no Estado do Rio Grande do Norte, sobretudo na cidade de Natal e região metropolitana, vem a público cobrar providências efetivas de combate à criminalidade, cuja responsabilidade e dever é do Governo do Estado.

Nos últimos meses, a população foi forçada a se encarcerar em suas residências em busca de proteção, e isso não é resultado de notícias de jornais ou da imprensa, mas é a realidade vivenciada por cada um dos potiguares que, a cada dia, é solapado com notícias de atos criminosos praticados contra amigos ou familiares, quando não são eles as próprias vítimas.

Os números da criminalidade, em crescente alta, apontam para a necessidade de implantação de medidas eficazes no combate à violência, o que infelizmente não tem ocorrido. São mais de 1.500 mortes violentas desde o início do ano de 2017, e a média de roubos de carro tem superado a absurda marca de 20 veículos por dia – já foram mais de 5.000 nos últimos oito meses. Assaltos a bancos, carros-fortes e agências dos correios ultrapassam as 80 ocorrências.

A OAB/RN há semanas tenta realizar um levantamento de dados no intuito de apresentar sugestões para o problema, mas o próprio Estado não possui o controle dos números, ou não os divulga, como por exemplo, qual o efetivo contingente da polícia militar que atua nas ruas de Natal e região metropolitana, com a indicação daqueles que estão nos quartéis em atividade administrativa(?).

Das 1.500 mortes violentas no ano de 2017, somente 51% delas tem inquérito instaurado para apuração dos culpados, o que não se coaduna com a necessária e essencial aplicação da lei penal, impedindo que os criminosos responsáveis pelos assassinatos sejam sequer processados pela justiça.

Ao mesmo tempo em que policiais civis e militares reclamam da falta de estrutura para trabalhar, o Governo apresenta números indicativos da realização de investimentos na área, apontando, no mínimo, para a falta de uma correta aplicação dos recursos, o que ganha importância maior diante da crise financeira que vivenciamos. Se houve investimentos, por que a violência toma conta de nossas ruas(?). A solução para o problema talvez esteja na resposta a essa indagação.

Se existem dificuldades estruturais e financeiras, que se busquem soluções de gestão e estratégias eficazes de combate à criminalidade, pois a sociedade cansou do discurso reiterado da falta de dinheiro e de pessoal.

A OAB/RN, mais uma vez, conclama para a união de esforços em torno do bem maior de todos, que é a vida de cada um de nós, e acredita na disposição da sociedade em contribuir para a solução do problema, mas é preciso que o Governo do Estado assuma o comando dessa luta e cumpra sua missão institucional de garantir a segurança dos cidadãos.

Natal, 14 de agosto de 2017
ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SECCIONAL RIO GRANDE DO NORTE

5 jul by João Ricardo Correia Tags:, , , , ,

José Adécio se solidariza com PMs e cobra ações enérgicas contra a insegurança

O deputado José Adécio (FOTO) voltou a cobrar ações mais enérgicas para combater a criminalidade no Rio Grande do Norte e prestou solidariedade aos treze policiais militares assassinados somente em 2017, lembrando também o agente penitenciário federal e o guarda municipal de Natal alvos dos matadores.

Durante seu pronunciamento na manhã desta terça-feira(04), no plenário da Assembleia Legislativa, José Adécio foi taxativo ao dizer que o maior pecado de um político é a omissão e que, mesmo sendo da base do Governo do Estado, não poderia deixar de voltar a falar sobre a insegurança.

Nas duas últimas semanas, o deputado visitou diversos municípios, em várias regiões do RN, prestigiando eventos juninos e comemorações de emancipações políticas. Em todos, sem exceção, ouviu de populares e das lideranças reclamações acerca de assaltos, assassinatos, estupros, roubo de cargas, de veículos, de animais.

O deputado citou o ataque de uma quadrilha de assaltantes ao município de Monte Alegre, ocorrido na madrugada de ontem, quando uma agência bancária, a lotérica, correspondentes bancários e o posto dos Correios também foram arrombados e os bandidos atiraram em via pública. “Atenção, governador Robinson Faria e atenção autoridades do Rio Grande do Norte, para a insegurança. Existe um extermínio de policiais no Rio Grande do Norte”, alertou.

José Adécio leu a lista com os nomes dos agentes de segurança assassinados e questionou quais as providências que as entidades de direitos humanos e a igreja tomaram em auxílio dos parentes. “Presto minha solidariedade aos policiais militares, que ganham pouco, estão pouco aparelhados e precisam de mais efetivo. É preciso dar um murro na mesa e mudar essa situação. Precisamos de uma mudança profunda, estratégica. Bandido é bandido e deve ser tratado como tal. Se é de um policial morrer, que morram os bandidos. São necessárias medidas enérgicas contra a insegurança”, declarou o parlamentar.

Fonte: Assessoria de Comunicação do deputado José Adécio
Foto: João Gilberto/ALRN

 

Fale no ZAP